Orçamento 2021: governo de MT prevê investimento de R$ 2 bilhões e corte de gastos

Mais dinheiro deve ser destinado à saúde, infraestrutura e segurança pública. O pagamento da RGA dos servidores, ficou de fora

(Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

O governo de Mato Grosso prevê investimentos na ordem de R$ 2 bilhões no setor público e corte de gastos para 2021. O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) encaminhada na semana passada para a Assembleia Legislativa tem o maior valor de fonte própria para investimento preferencial em infraestrutura, saúde e segurança pública. 

Os R$ 2 bilhões previstos representam 12% dos R$ 21,324 bilhões que se pretende arrecadar no próximo ano. Paralelamente, existe previsão de redução de gastos, o que inclui permanência da suspensão da Revisão Geral Anual (RGA) para os servidores. 

No texto, o governo afirma que o desempenho fraco que a economia brasileira ainda deve experimentar no próximo ano – em decorrência da pandemia e paralisação econômica – não permite a reinclusão do índice que corrige os salários dos servidores pela inflação a partir de 2021. 

O cálculo do governo é que o impacto da RGA no orçamento do próximo ano seria de R$ 259,8 milhões, fora o crescimento vegetativo dos salários e outras leis que determinam a revisão de ganhos para categorias específicas. 

Além da RGA, existem outras três leis que estabelecem correções salariais. A Lei Complementar nº 510/2013 para profissionais da educação básica, que está calculada em R$ 272,9 milhões e a Lei º 10.596/2013, que prevê revisão para profissionais de meio ambiente, cujo gasto ficaria em R$ 7,7 milhões.  

Na soma, as três regras teriam impacto de R$ 540,4 milhões na receita pública. 

A lei promulgada este ano pelo governo federal que suspende reajustes salariais até dezembro de 2021 também é citado na PLOA.

Áreas com mais recursos 

Já o crescimento na fatia de investimento deve beneficiar quatro áreas. A Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) deve ter R$ 549 milhões a mais de recurso; a Secretaria de Saúde (SES) R$ 200 milhões; a Secretaria de Segurança Pública (Sesp), R$ 95 milhões); e a Secretaria de Educação (Seduc), R$ 76 milhões. 

Conforme o governo, a Sinfra aplicará o dinheiro “extra” na reforma e construção de 125 pontes, pavimentação e reconstrução de 35 rodovias, na retomada das obras do Hospital Universitário, além de 45 obras conveniadas com municípios. 

A SES deve investir na reforma de Hospitais Regionais, do Hospital Adauto Botelho, na construção e reforma de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), estrutura farmacêutica e na retomada das obras do Hospital Geral. 

A Segurança Pública aplicará recursos na reforma e construção de seis sedes do Corpo de Bombeiros Militar e 22 delegacias. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTurismo perde quase 50 mil empresas e 500 mil empregos em 6 meses de pandemia
Próximo artigoMais de 10% da população pode já estar imune à covid-19