Oportunidade na pandemia: empresário cria “Samu do Celular” e atende clientes em isolamento

Ideia é do empresário Julio Carvalho, que transformou uma Kombi em um serviço de assistência técnica móvel

(Foto: Arquivo Pessoal)

Uma ambulância fora do convencional circula há dois meses pelas ruas de Cuiabá e Várzea Grande. Os pacientes e as vítimas socorridas também são um pouco diferente. É o “Samu do Celular”, idealizado pelo empresário Julio Carvalho.

Ele transformou uma Kombi 1996 em um serviço de assistência técnica móvel. Vai até o (paciente?) cliente e conserta os aparelhos. O “socorro” é feito no local e na hora.

Ao LIVRE, Julio Carvalho contou que o veículo custou R$ 8 mil e, a princípio, serviria para outro propósito: uma viagem sobre rodas. O objetivo dele era repetir uma memória que marcou a infância: uma viagem para o Nordeste em um trailer.

No meio do caminho, porém, os planos mudaram. O sonho de viajar deu lugar à ideia de montar o negócio.

LEIA TAMBÉM

A princípio, a Kombi se chamaria Ambulância do Celular, mas depois virou o “Samu”, por fazer o socorro ainda no local do “acidente”.

Recentemente, aliás, Julio conseguiu junto a sua operadora de telefonia mudar o final do seu número de contato para 192. Um “charme” a mais.

(Foto: Arquivo Pessoal)

A pandemia acelerou o processo

Julio começou a trabalhar com celulares em 1996. À época, prestava assistência técnica terceirizada para lojistas.

Com a mudança nos planos para a Kombi e a pandemia do novo coronavírus, o empresário adiantou a reforma no veículo e começou a atender os cliente de porta em porta.

“Não estava pronta ainda, mas adiantei porque vi que a procura pelo serviço seria grande”.

O serviço caiu no gosto e na necessidade dos clientes em isolamento social. Em média, cerca de quatro atendimentos são feitos por dia.

O retorno financeiro também agradou o empresário, que se diz satisfeito. Mas, ao LIVRE, ele preferiu não revelar quanto fatura por mês.

Os valores dos serviços, segundo Julio, não tiveram aumento por causa da pandemia, afinal, a ideia sempre foi atender em domicílio. Ah, e os gastos com o deslocamento não são cobrados do cliente.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMulher é agredida e tem carro roubado pelo ex-companheiro
Próximo artigoRestam 13 leitos de UTI

O LIVRE ADS