Operação Quadro Negro: lousas digitais não funcionavam e software era falsificado

Material teria custado R$ 10 milhões que acabaram desviados do governo de MT

Polícia Civil concedeu entrevista coletiva após o cumprimentos de todos os mandados (Foto: Camilla Zeni / O LIVRE)

Irregularidades “gritantes”, a compra de lousas digitais que não foram entregues e de um software para professores que, no lugar de informações sobre Mato Grosso, contavam a história de São Paulo.

Esse foi o resultado de contratos que somaram aproximadamente R$ 10 milhões, firmados pelo Centro de Processamento de Dados do Estado (antigo Cepromat) – hoje Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI). O caso deu origem à Operação Quadro Negro, deflagrada na manhã desta terça-feira (22).

A investigação contou com a colaboração do ex-governador Silval Barbosa e do ex-secretário de Estado Pedro Nadaf – que firmaram delação premiada –, mas teve andamento graças a uma auditoria realizada pela Controladoria Geral do Estado (CGE), em 2014.

LEIA TAMBÉM

Além das lousas digitais – que não existem já que as escolas ainda usam o chamado quadro negro -, foram comprados programas de computador para auxiliar os professores na elaboração de suas aulas.

Todo o material deveria ser entregue a escolas de educação básica. Uma parte até chegou, mas os sotfwares não rodavam nos computadores. De acordo com os delegados do caso, os itens eram falsificados.

Dois ex-presidentes do Cepromat foram presos: Wilson Celso Teixeira, o Dentinho, e Djalma Soares. Os contratos foram fechados pelo governo do Estado com a empresa Avançar Tecnologia em Software, cujo dono, Weydson Soares Fonteles, foi um dos alvos da operação.

Quem atestou o recebimento dos produtos foi o ex-secretário-adjunto de Administração Sistêmica da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Francisvaldo Pereira de Assunção, também preso.

“Parasitas do estado”

Em entrevista coletiva após as prisões, o delegado Anderson Veiga chegou a classificar o grupo criminoso como “parasitas do Estado”.

“Pessoas que praticamente desviaram aí R$ 10 milhões, corrigidos nos valores atuais, sem sequer uma contraprestação para a atividade de Educação em Mato Grosso”, disse.

Já o delegado Luiz Henrique Damasceno destacou que o contrato foi firmado com a única função de desviar recursos públicos.

O beneficiário era o empresário e dono de factoring Valdir Piran. Ele foi preso preventivamente em Brasília (DF) e teve diversos bens apreendidos.

O Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira), por meio de análise financeira, identificou que os recursos pagos para a empresa Avançar eram repassados a Valdir Piran por meio de pessoas interpostas.

Segundo o delegado, porém, não significa dizer que essas pessoas também faziam parte da organização criminosa. Até o momento não há indícios que apontam para isso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem conhece mulher em site erótico e passa a ser chantageado por ela
Próximo artigoUm morto e 16 presos em operação contra invasão no Maracanã

O LIVRE ADS