Operação Overlap: Brito é apontado como parte de “organização criminosa”

Procurador-geral do município foi afastado depois de ter sido alvo de busca e apreensão e envolvimento com ex-secretário de educação também investigado

Foto: Michel Alvim

Decisão da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, que autorizou busca e apreensão na casa  e no escritório do ex-procurador-geral da Capital Marcus Brito, o considera parte de possível esquema criminoso que utilizou de licitações fraudulentas na pasta de Educação e de Inovação e Comunicação para desviar dinheiro público.

O juízo levou em consideração informações apresentadas pela Polícia Judiciária Civil e pelo Ministério Público Estadual, que apontam Brito como “vinculado à teia de relacionamentos que tangenciam a suposta existência de uma organização criminosa” que teria beneficiado empresas constituídas em nomes de laranjas para fechar contrato com a prefeitura.

Por trás estariam os ex-secretários municipais de Educação Alex Vieira Passos e Rafael Cotrim.

Alex Vieira é sócio em um escritório de advocacia junto com Marcus Brito. Esse mesmo escritório teria depositado um cheque de R$ 400 mil a Rafael de Oliveira Cotrim Dias, que também já ocupou o cargo de secretário de Educação na gestão Emanuel Pinheiro (MDB).

Ao todo, Cotrim teria recebido R$ 1 milhão em dinheiro desviado de obras públicas.

No suposto esquema, duas empresas que teriam Alex Vieira como sócio foram contratadas pela Prefeitura de Cuiabá para realização de obras públicas, a B.O Conceição e Silva e CIA LTDA, e a B3 Construtora.

O juízo ressaltou ainda que Brito ao ser nomeado procurador-geral, ao invés de cumprir função instituição, estaria utilizando do cargo para “o não conhecimento da prática criminosa perpetrada em favor da administração pública, vez que seriam fortes os indícios de que ele, inclusive, seria integrante da suposta organização criminosa delineada pelos representantes”.

Após ter sido alvo da segunda fase da Operação Overlap na manhã desta quinta-feira (3), Marcus Brito foi afastado da Procuradoria-Geral do Município e em seu lugar foi nomeada a procuradora-adjunta Juliette Caldas Migueis.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrejuízo também para o agro: cada hectare queimado representa perda de R$ 4,2 mil
Próximo artigoGoverno prevê investimentos privados de mais de R$ 40 bi em ferrovias