Operação integrada do Procon, Sefaz e PJC fiscaliza preços de produtos e serviços em Cuiabá

Na segunda fase da operação Preço Justo, em janeiro, a fiscalização terá caráter repressivo e os comerciantes poderão ser autuados e multados

(Foto: Assessoria / Procon)

O Procon Estadual de Mato Grosso, a Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon), e a Secretaria de Fazenda (Sefaz) iniciaram monitoramento de preços de produtos e serviços que terão redução da alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) a partir de janeiro. A operação integrada “Preço Justo” começou na sexta-feira (17), com fiscalização dos preços praticados atualmente em postos de combustíveis e revendas de gás liquefeito de petróleo (GLP), na Capital.

A Lei Complementar (708/2021), sancionada em dezembro pelo Governo de Mato Grosso, entrará em vigor a partir do dia 01 de janeiro de 2022 e abrange produtos e serviços de energia elétrica, comunicação, gás industrial e combustíveis, como gasolina e diesel, e uso do sistema de distribuição de energia solar.

O secretário adjunto de Proteção e Defesa dos Direitos dos Consumidores, Edmundo Taques, salienta que o objetivo da fiscalização integrada é juntar forças entre os órgãos públicos envolvidos para coletar informações, orientar e alertar os fornecedores sobre a nova legislação estadual.

“O Estado está atento à aplicação da lei. Até dezembro, estaremos monitorando preços, com fiscalizações orientativas presenciais na região metropolitana e em algumas cidades do interior. Em janeiro, as equipes retornam aos estabelecimentos vistoriados, para realizar a comparação dos preços e verificar se o desconto está chegando para o consumidor. Na segunda fase da operação, que tem caráter repressivo, os comerciantes poderão ser autuados e multados”, informa Taques. De acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC), as multas podem chegar a R$ 3 milhões.

Os fornecedores também poderão ser notificados, por meio de correspondência enviada pelo Procon, a encaminhar documentação comprobatória dos preços praticados nos últimos meses, como notas fiscais de venda e preço de aquisição junto às distribuidoras, para apurar possíveis abusos.

“Isso é importante para podermos monitorar os preços no interior do Estado, especialmente em municípios onde não há unidade de Procon. Já a redução dos preços de energia elétrica e de serviços de telecomunicações será acompanhada por meio do monitoramento das faturas”, explica a coordenadora de Fiscalização Controle e Monitoramento de Mercado do Procon-MT em exercício, Elisiane Guibor.

O delegado da Decon, Rogério Ferreira, alerta que o fornecedor que deixar de passar para o consumidor a redução de alíquota de ICMS, poderá responder por crime contra a economia popular e prática de aumento abusivo de preços, com pena de prisão de até 10 anos e multa.

“Nossa intenção é garantir que os descontos cheguem efetivamente aos consumidores mato-grossenses. A redução da alíquota de ICMS pode ser revertida para a sociedade como melhoria da qualidade de vida, geração de emprego e mais investimento no Estado”, enfatiza Rogério.

O superintendente de Fiscalização da Sefaz, José Carlos Bezerra Lima, considera que ações integradas e cooperadas entre os órgãos fiscais e investidores no combate ao crime contra a ordem tributária, econômica e das relações de consumo consumo possuem grande valor no atual momento que o cidadão mato-grossense vive, pois vai além da difusão de risco fiscal, acima de tudo promove a justiça fiscal.

Empresas e pessoas envolvidas em fraudes fiscais, em especial as associadas àquelas contra os consumidores, estão sujeitas a multas elevadas, pela gravidade do fato (conforme determina o artigo 47-E da Lei estadual 7098/98) e que podem ter suas inscrições estaduais cassadas (Lei estadual 11051/2019), além de outras repercussões fiscais,  civis e penais pela configuração do crime contra a ordem tributária e econômica, pontua o superintendente da Sefaz.

Redução de impostos

O pacote de redução de impostos do Governo de Mato Grosso é o maior corte de ICMS realizado no país, revertendo em benefício direto para o cidadão. A partir de janeiro, com a redução de ICMS de 25% para 23%, o preço médio do litro da gasolina, por exemplo, terá redução de até R$0,16, aponta projeção da Sefaz. Já para a energia elétrica a redução será de 25% e 27% para 17%. A redução vale para todos os setores.

Além da gasolina e da energia elétrica, também haverá redução de preço para o diesel (de 17% para 16%); gás GLP (17% para 12%); internet, telefone e TV por assinatura (de 25% e 30% para 17%) e uso do sistema de distribuição de energia solar (de 25% para 17%).

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJuiz de MT morre de câncer
Próximo artigoIndígena é preso por passar a mão em criança de 10 anos durante evento em MT