Operação da PF combate fraudes no seguro defeso em três estados

Até o momento, o prejuízo apurado aos cofres públicos passa de R$ 69 milhões

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje (31) a Operação João 21, com o objetivo de combater uma organização criminosa que fraudava a concessão de seguro defeso. Até o momento, o prejuízo apurado aos cofres públicos passa de R$ 69 milhões.

De acordo com a PF, os policiais cumprem 18 mandados de prisão preventiva e 25 de busca e apreensão em endereços nas cidades de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul; em Belém, no Pará; e de Macapá, Santana, Laranjal do Jari e Almeirim, no Amapá.

“Foram realizadas ainda buscas na Superintendência Regional do Ministério do Trabalho, em Macapá, e nas unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de Macapá, Santana e Laranjal do Jari”. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Caxias do Sul.

Entre os presos, estão nove servidores públicos do ministério e do Sine. Segundo a PF, todos deverão responder pelos “crimes de peculato, inserção de dados falsos em sistema de informações, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas podem superar 40 anos de prisão”.

Segundo a PF, o nome da operação, João 21, é uma referência à “passagem bíblica que fala sobre a pesca milagrosa”. Ela é um desdobramento da Operação Timoneiro, deflagrada em abril deste ano, quando foi preso um servidor do ministério, que atuava em Caxias do Sul, e foi responsável pela concessão fraudulenta de 6.988 benefícios.

Agência Brasil fez contato com a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho e aguarda retorno.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAta ou desata
Próximo artigoJurista Hélio Bicudo morre aos 96 anos