Operação Ararath recuperou R$ 1,47 bi em impostos, o maior montante do país

As cinco primeiras fases da Operação Ararath resultaram na recuperação de R$ 1,47 bilhão em impostos sonegados, dos quais R$ 431 milhões já são definitivos. Segundo o coordenador operacional nacional da Receita Federal, Sérgio Savaris, trata-se do maior montante em créditos tributários já recuperado no Brasil, em comparação com o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado – proporcionalmente maior até mesmo que a Lava Jato.

“Muitas coisas que aprendemos aqui estão sendo replicadas para outras operações afirmou Savaris, em entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira (14). Ele explicou que, para chegar ao valor, são calculadas alíquotas sobre o dinheiro movimentado, cada montante de acordo com o imposto devido, como imposto de renda e outros impostos federais. Entre os recursos recuperados, estão R$ 55 milhões bloqueados da família do ex-deputado José Riva.

Outros R$ 528 milhões de recursos públicos desviados foram ressarcidos (dos quais R$ 228 milhões foram fruto de 17 acordos de colaboração premiada e R$ 300 milhões foram bloqueados), e mais R$ 500 milhões estão na mira do Ministério Público Federal (MPF), nos 43 inquéritos policiais que ainda estão em andamento.

Entre os delatores que devolveram recursos, estão o empresário Gércio Marcelino Mendonça Junior, conhecido como Junior Mendonça, o ex-governador Silval Barbosa (MDB), sua esposa Roseli e seu filho Rodrigo, e seu ex-chefe de gabinete, Silvio Corrêa.

“Em nenhum outro Estado se conseguiu resultados tão expressivos com essa sinergia entre as instituições. A Ararath é um marco. Essa operação revelou ao Brasil e ao mundo as relações espúrias que existiam há muito tempo em Mato Grosso”, disse o superintendente da Polícia Federal, delegado Áderson Vieira Leite. Ele destacou que a Ararath se desdobrou ainda em operações tocadas na esfera estadual, como Sodoma, Ventríloquo e Cartas Marcadas.

Das 38 ações penais abertas, três já tiveram sentenças, condenando os ex-secretários Eder Moraes e Vivaldo Lopes, o ex-superintendente do BICBanco Luiz Carlos Cuzziol, e os irmãos advogados Kleber e Alex Tocantins. São investigados crimes financeiros, operação ilegal e gestão fraudulenta de instituição financeira, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, crimes tributários e organização criminosa.

“O esquema foi montado, basicamente, para financiar campanhas eleitorais”, explicou o procurador-chefe do MPF em Mato Grosso, Gustavo Nogami. A partir daí, foram ocorrendo os crimes financeiros, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInfluência dos consumidores cresce e modifica a produção
Próximo artigoE se o SPFC fizesse o mesmo que o Real Madrid?