Obras não foram concluídas por obstáculos colocados pelo Estado, alega Consórcio VLT

Consórcio recorreu na Justiça contra rescisão de contrato, culpando o Estado pelo atraso

Ednilson Aguiar/ O Livre

O Consórcio VLT entrou com recurso contra a decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso que homologou a rescisão contratual entre o Governo do Estado e as empresas. O grupo seria o responsável pela implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na região metropolitana de Cuiabá, antes da Copa de 2014, e teria recebido quase R$ 2 bilhões pelo serviço.

Conforme o pedido, protocolado no dia 24 de junho, a defesa alega que os desembargadores deixaram de analisar “elementos imprescindíveis” e pede que o processo seja encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Para o Consórcio, quando o Governo publicou o extrato do termo de rescisão, ainda em 2017, ele teria cometido afronta ao devido processo legal, contraditório e ampla defesa.

No documento, os advogados apontam que, depois de publicar rescisão unilateral, o Estado demorou 15 dias para encaminhar cópia de decisão ao Consórcio, tendo inclusive feito a publicação antes do fim do prazo de recurso e sem analisar a posição das empresas quanto à decisão.

A defesa acredita que o Governo usou a delação premiada do ex-governador Silval Barbosa, na qual revelou pagamento de propina para as empresas, para “impor ao Consórcio responsabilidade pela ultimação da avença, além [é claro] de penalidades absurdas em medida suficiente para eliminar a dívida do Estado”.

Consta que, dessa forma, o Estado estaria tentando atribuir a culpa da não conclusão das obras ao Consórcio, quando, na realidade, o único responsável seria o próprio Governo. Argumenta ainda que as empresas são credoras do Governo, uma vez que valores medidos e aprovados há anos ainda não teriam sido quitados pelo Executivo, “que lamentavelmente não pretende pagar o que deve”, disse.

[featured_paragraph]”Ademais, o Estado de Mato Grosso não conseguiu fazer frente nem sequer a 30% das desapropriações necessárias à evolução do modal. Até os dias de hoje, ainda é preciso promover a liberação de cerca de 70% das áreas necessárias”, observou em outro trecho.[/featured_paragraph]

O Consórcio ainda enumerou os supostos equívocos cometidos pelos desembargadores e pediu: “Findo o prazo, protesta pela imediata remessa dos autos ao e. STJ, a quem roga o integral conhecimento e provimento deste recurso”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm boate, homem quebra copo no rosto de ex e é preso
Próximo artigo“As ocorrências mais difíceis são as que envolvem crianças”, desabafa bombeiro

O LIVRE ADS