Obesidade, hipertensão e diabetes: quando os cuiabanos deixaram de se importar com doença crônicas?

Hoje, a Capital tem 75 mil hipertensos, 25 mil diabéticos e 22% de sua população com índice corporal acima do considerado saudável

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A pandemia do novo coronavírus acendeu um alerta para o histórico de doenças crônicas em Cuiabá. O alto índice de casos graves da covid-19 aponta em uma direção: não estamos nos cuidando para evitar diabetes, hipertensão e obesidade – principais fatores de risco para a nova doença. 

Conforme dados do boletim epidemiológico sobre a evolução da pandemia em Cuiabá, 80% das pessoas infectadas com o novo coronavírus relataram algum tipo de comorbidade. 

A situação é atestada por números de um levantamento da Secretaria de Saúde de Cuiabá. Hoje, a Capital tem 75 mil hipertensos e 25 mil diabéticos. Entre esses últimos, quatro mil fazem tratamento diário com insulina para evitar o colapso do organismo. 

“São números que estão na média do Brasil. Mas numa situação extrema, como a pandemia, a situação das pessoas com doenças crônicas piora e a falta de cuidados diários para a prevenção acaba aparecendo”, diz o enfermeiro de atenção básica, Carlos Alexandre Rodrigues Silva. 

Ele explica que diabetes e hipertensão são doenças que se desenvolvem lentamente e a piora do quadro, como o consumo excessivo de açúcar e sódio, geralmente pega os pacientes de surpresa.  

“A pessoa pode acostumar com a hipertensão. Ela [a pressão arterial] sobe hoje de manhã  e depois cai, mas no começo da tarde sobe de novo, variando de 14 a 17. Isso, ao longo do tempo, causa distúrbios e numa pandemia, o estresse diário que já existia antes é mais alto”, ele explica. 

(Foto: Freepik)

Obesidade 

A hipertensão e a diabetes podem ser relacionadas a um problema que vem chamando atenção de médicos no mundo: a população está ficando obesa. No Brasil, 50% das pessoas já têm essa característica. 

Em Cuiabá, conforme a pesquisa Vigitel 2019, do Ministério da Saúde, 22,5% da população tem índice corporal acima do considerado saudável. É o quinto maior número entre as 26 capitais e o Distrito Federal. 

LEIA TAMBÉM

Na análise de excesso de peso, 54% dos cuiabanos com mais de 18 anos têm esse tipo de complicador de saúde. Os casos estão concentrados na população entre os 45 e 54 anos, faixa etária com 63% da população obesa ou com excesso de peso. 

“As doenças crônicas estão relacionadas a pessoas sobrecarregadas e ao sedentarismo. O estilo de vida urbano gera essa pressão, que faz cair a qualidade de vida. E o pior é que falta educação em saúde às pessoas. A pandemia é uma boa amostra disso. Já acompanhei casos de pessoas que esperam milagres, seja indo para a igreja, seja com receitas mágicas”, afirma o médico Reinaldo Gaspar Mota, membro do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

(Foto: Freepik)

Sedentarismo 

Conforme a pesquisa Vigitel, apenas 12,2% dos cuiabanos praticam atividade física com exercícios moderados por até 150 minutos por semana. Um percentual que coloca Cuiabá na 11ª posição entre as capitais brasileiras e o Distrito Federal. 

As mulheres são que mais se exercitam, mas com uma leve vantagem. A pesquisa identificou que 13% delas, com idade igual ou acima dos 18 anos, estavam praticando exercícios moderados, enquanto entre os homens eram apenas 11%. 

Por outro lado, 46% da população global, mesmo se fazia algum tipo de exercício, o praticava em uma quantidade insuficiente para manter o organismo saudável. 

“Não estamos falando de exercício para entrar forma, ir todo dia para academia. Uma caminhada pouco acelerada 30 minutos, em três vezes na semana, já é o bastante para melhorar a vida”, disse o enfermeiro Carlos Alexandre. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFalso médico engana família de PM com exame para detectar câncer no futuro
Próximo artigoMãe denuncia homem que fez videochamada e tirou a roupa para menina de seis anos

O LIVRE ADS