OAB: “Sem instrumentos legais”

Ordem alertou que revogar permissão de uso de nome social é inconstitucional

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Depois do Ministério Público de Mato Grosso encaminhar ofício à Câmara Municipal de Cuiabá, alertando contra a decisão de maioria dos parlamentares, de derrubar decreto do Executivo que regulamenta o uso do nome social na administração pública da Capital, foi a vez da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT) se pronunciar.

Em ofício protocolado nesta sexta-feira (5), o presidente da Ordem, Leonardo Campos, e os advogados Nelson Freitas e Carlos Perlin, que presidem, respectivamente, as comissões da Diversidade Sexual e de Estudos Constitucionais, alertaram que a decisão não teria instrumentos legais.

Segundo os advogados, o decreto municipal cumpre os requisitos constitucionais e reafirma entendimento do Supremo Tribunal Federal.

“A matéria tratada nada mais significa senão a concretização de mandamentos e garantias constitucionais voltadas à proteção da cidadania e da dignidade da pessoa humana, sobretudo das minorias”, escreveram no ofício.

Eles afirmam ainda que o projeto que tem a intenção de revogar o decreto “pode representar violação constitucional aos direitos sociais e individuais garantidos a todos os cidadãos brasileiros. Mais que isso, pode excluir os servidores cuiabanos da proteção garantida em território nacional”.

LEIA TAMBÉM:

MP alerta: impedir nome social viola norma constitucional

Líderes religiosos pedem a vereadores que revoguem decreto do prefeito 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFinal da Copa América terá show de Anitta e presença de Bolsonaro
Próximo artigoServidora que acumula cargos no Executivo e Judiciário é investigada pelo MPE

O LIVRE ADS