OAB-MT sugere ao governo medidas que acelerem negociações de tributos

Governador Mauro Mendes disse que vai analisar as propostas sob o princípio da razoabilidade

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT) apresentou ao governador Mauro Mendes (DEM) e ao secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, sugestões de medidas que podem acelerar as negociações tributarias e proteger os contribuintes.

Em live transmitida pelo Instagram na tarde desta quinta-feira (16), o presidente da OAB-MT, Leonardo Campos, disse ao governador que as sugestões foram elaboradas pela Comissão de Direito Tributário da Ordem e que podem garantir “alívio”, principalmente, ao setor empresarial durante o período de pandemia de coronavírus.

“A proposta da OAB-MT tenta deixar de lado o atual modelo, burocrático e engessado, para dar início a soluções ágeis e eficazes nos pactos, evitando o desperdício de tempo e dinheiro provocado pelas longas demandas judiciais”, diz trecho do ofício.

Durante a live, que contou com a participação do governador Mauro Mendes, ele afirmou que assim que receber em mãos o ofício vai designar à Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e a Sefaz que analisem, dentro do princípio da razoabilidade, a possibilidade de implantação das medidas sugeridas.

Sugestões

A OAB propôs que o Estado garanta mais agilidade nas negociações com os contribuintes em relação à carga tributária atrasada e, ainda, que sejam extintos os créditos tributários.

O pedido foi justificado com base no Código Tributário Nacional, tendo em vista a “evidente ausência de liquidez das empresas”.

Neste sentido, a Ordem argumenta que é possível o Estado adotar cinco medidas:

  • transação
  • dação em pagamento
  • prazos nos processos administrativos
  • negócio jurídico processual (NJP)
  • compensação tributária
Secretário de Fazenda, Rogério Gallo é quem deve analisar as propostas, conforme o governador Mauro Mendes (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Como funciona?

A transação é, segundo esclareceu a OAB-MT no ofício, a modalidade de extinção do crédito tributário pela qual a lei “autoriza a formalização de um ajuste, mediante concessões mútuas entre Estado e o contribuinte”. A modalidade poder ser feita, inclusive, por meio de mediação.

Dação em pagamento também é uma forma de extinção da dívida por meio de um pagamento indireto. “A dação em pagamento surge, apenas, quando há interesse das partes em resolver a obrigação com uma coisa, móvel ou imóvel, diferente de dinheiro”.

Em relação aos prazos processuais, a sugestão é que a legislação que trata do assunto em Mato Grosso possa ser alterada para garantir um prazo de 365 dias – um ano – para os processos administrativos tributários – que hoje não possuem prazos.

No caso do negócio jurídico processual, essa já é uma prática feita na União em relação aos créditos tributários inscritos da dívida ativa. A sugestão da OAB é que a NJP também seja implementada em Mato Grosso, de modo que facilite e dê celeridade aos processos tributários.

Quanto à compensação tributária, a OAB enfatiza que já é uma prática no Estado, mas que a dificuldade é que faltam créditos disponíveis no mercado, que estejam aptos para serem compensados.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCoronavírus: 156 pacientes testam positivo para covid-19 em MT
Próximo artigoLeitos disponíveis em Mato Grosso podem ficar sufocados em dois meses