OAB diz que interrupção na alimentação de presos gera “caos social” e pede ação do Estado

Empresários se reuniram na OAB e disseram que, sem pagamento, devem parar o fornecimento esta semana

Advogado Waldir Caldas Rodrigues (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Diante da ameaça de interrupção no fornecimento de alimentação para os presídios de Mato Grosso, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT) garantiu que deve se reunir com representantes do Governo do Estado nesta quarta-feira (12) para impedir que a situação aconteça. Para o presidente da Comissão de Direito Carcerário, Waldir Caldas, a falta de alimento nos presídios poderia gerar um “caos social”.

Na tarde dessa terça-feira (11), representantes de 11 das 16 empresas fornecedoras se reuniram com a Comissão de Direito Carcerário e a presidência da OAB para debater sobre os rumos a serem tomados.

Conforme o representante dos fornecedores, o empresário Cristiano Milhomem, que presta o serviço de alimentação para os presídios da região do Araguaia, diversos empresários já sinalizaram pela interrupção do serviço a partir da próxima sexta-feira (14).

Embora reconheçam a situação financeira do Estado, os fornecedores garantem que não há a possibilidade de continuarem com a prestação de serviço caso os R$ 25 milhões não sejam repassados. Para o presidente da Comissão de Direito Carcerário, Waldir Caldas, a situação exige atenção.

“É uma situação muito grave, pois seria uma tragédia social se efetivamente fosse suspenso o fornecimento de alimentação para as pessoas presas”, observou.

Para o advogado, a situação afeta a toda a comunidade, uma vez que, para o preso, é diretamente “uma ofensa inaceitável à sua dignidade”. Já para a população seria “um caos social, em razão das consequências que isso vai trazer”.

“A gente tem aí justificadas razões para temer as consequências disso”, afirmou. Diante da preocupação, a OAB já solicitou dos empresários as planilhas com dados referente aos repasses e deve buscar, ainda nesta quarta-feira, uma conversa com o governo em busca da solução do problema.

LEIA TAMBÉM

Marmita nos presídios: empresas pedem R$ 25 milhões e avisam que vão parar distribuição

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDupla Henrique e Diego e jogador Brenner promovem jogo beneficente em Cuiabá
Próximo artigoAbate de suínos cresce 6,8% e bate recorde no terceiro trimestre