O saneamento cuiabano construído por várias mãos

Trabalhadores de diferentes áreas se dedicam diariamente para entregar serviço e valor ambiental à população da capital mato-grossense

Engenheiros, leituristas, técnicos, administradores, entre outros. Quantos profissionais são necessários para fazer o saneamento acontecer? Em Cuiabá, 552 colaboradores do setor se dedicam diariamente para entregar excelência para mais de 600 mil pessoas. No mês do trabalhador, evidenciamos histórias como a do Nayrlon, Walcledson, Gustavo e Paulo, personagens importantes para o saneamento cuiabano que garantem água de qualidade na torneira e serviços de esgotamento sanitário às famílias da capital mato-grossense.

O “vôte” de Cuiabá recepcionou bem o “oxente” da Paraíba. Na cidade há pouco mais de 10 meses, o engenheiro sanitarista e ambiental Nayrlon Freitas Medeiros, de 31 anos, deixou o município de Campina Grande trazendo na mala 10 anos de experiência no setor. Coordenador de tratamento de água na Águas Cuiabá, empresa do grupo Iguá, ele conta com satisfação dos serviços realizados na cidade. “O valor desse trabalho é o que mais nos incentiva todo dia. Não há nada mais gratificante em saber que conseguimos entregar água tratada e de qualidade para milhares de famílias cuiabanas.”

Responsável por coordenar uma equipe operacional com cerca de 60 colaboradores que atuam na captação, tratamento e qualidade de 11 estações de tratamento de água (ETA) em Cuiabá, o engenheiro conta que o plano inicial era contribuir com o setor no universo acadêmico. “Eu sempre gostei muito de estudar, era pesquisador, escrevia artigos na faculdade, achei que seguiria a carreira na academia, até investir o conhecimento na prática e iniciar como operador de ETA. Por meio dessa escolha, consegui ter a visão da transformação que o saneamento pode proporcionar para a vida das pessoas”, ressalta.

Outra ETA, a São Sebastião, uma das mais antigas estações de Cuiabá, foi decisiva para o ingresso de Walcledson Seba Batista, de 44 anos, no setor. “Quando eu era criança, a escola nos levou em uma visita para conhecer mais sobre o processo de tratamento de água. Eu fiquei maravilhado, mas não queria seguir na área da engenharia, queria fazer administração e ajudar o meu pai, que tinha um comércio local”. Na época, “Seba”, como é conhecido, não imaginava que os conhecimentos em administração o levariam para o saneamento.

Trabalhando há 10 anos como coordenador administrativo da concessionária, ele gerencia diversos setores, como almoxarifado, frotas, segurança, manutenção de infraestrutura. Seba explica a importância de um bom gerenciamento para que a operação funcione a contento. “É imprescindível que tudo esteja organizado: os processos, as pessoas, os materiais, o ambiente onde vão trabalhar. Tudo reflete no serviço que chega ao cliente. Eu sou muito feliz não só como profissional, mas também como consumidor cuiabano em acompanhar a evolução que tem acontecido no setor por aqui.”

Já para o engenheiro civil Gustavo Vasconcelos, de 27 anos, a área onde atual foi uma descoberta. “O saneamento não estava em meus planos, mas depois que surgiu como oportunidade, não me vi trabalhando com outra coisa.” Responsável pela coordenadoria de engenharia de obras, ele conta orgulhoso da sua trajetória dentro da companhia. “Comecei como assistente técnico operacional, quando ainda estava cursando a faculdade, passei pelo cargo de fiscal, analista e engenheiro de obras. Hoje, como coordenador, vejo o quanto cresci profissionalmente e quanto pude contribuir com a evolução do setor.”

Vasconcelos menciona um dos grandes orgulhos da carreira: ele esteve à frente da implantação de adutoras e subadutoras do Sistema de Abastecimento Sul, levando água tratada a 86 bairros e atendendo mais de 150 mil pessoas. “Saneamento é saúde e garantir que a população tenha acesso a esses tipos de serviço é muito satisfatório. Acrescentado a isso, é também contribuir com o meio ambiente, coletando e tratando adequadamente o esgoto. Assim conseguimos preservar os córregos e rios, é uma relação mútua.”

Mas e se a operação de abastecimento e tratamento para? Entra em cena o encarregado da eletromecânica Paulo César Silvestre, quem coordena a equipe que faz a manutenção em motores, bombas e estruturas responsáveis por distribuir água e coletar o esgoto das residências. “Quando penso na escolha da minha profissão eu me sinto muito feliz. Quando colocamos para funcionar e ver o alívio das pessoas voltando a receber água, por exemplo, é muito satisfatório. A gente sente, de fato, o quanto o serviço é essencial”. Aos 50 anos de idade, 23 de trabalho, ele conta que sente prazer em acordar cedo e ir trabalhar. “Sou realizado na área e cada dia mais contente com os conhecimentos que conquisto diariamente.”

Sobre a Águas Cuiabá – Por meio de concessão plena, iniciada em 2012 e com validade de 38 anos, a concessionária assumiu os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário na capital mato-grossense em 2017. A empresa atende 605 mil pessoas e tem como objetivo universalizar o acesso da população à água de qualidade e à coleta e tratamento de esgoto. Pertencente ao Grupo Iguá, que está presente em 39 municípios brasileiros e alcança 7,1 milhões de pessoas com o compromisso de ser a melhor empresa de saneamento para o Brasil.

Sobre a Iguá Saneamento – Companhia controlada pela IG4 Capital, a Iguá atua no gerenciamento e na operação de sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário por meio de concessões e parcerias público-privadas. Uma das principais empresas do setor no país, está presente em 39 municípios de seis estados brasileiros – Alagoas, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo e Paraná – com 18 operações que beneficiam cerca de 7,1 milhões de pessoas. A Iguá tem quatro pilares essenciais que orientam as ações socioambientais em todas as suas unidades, constituindo o planejamento estratégico SERR: Segurança hídrica; Eficiência na produção e distribuição de água; Responsabilidade na coleta e tratamento de esgoto e Respeito às pessoas. Signatária da Rede Brasil do Pacto Global (iniciativa da Organização das Nações Unidas), a companhia assumiu publicamente o compromisso de zerar as emissões de carbono até 2030. Neste ano, recebeu pela Climate Bonds Initiative (CBI) a certificação do primeiro título verde da América Latina para infraestrutura hídrica. Em 2021, ganhou reconhecimento pela excelência em gestão e serviços com o Prêmio Nacional de Qualidade no Saneamento (PNQS). Também foi eleita pelo quinto ano consecutivo uma ótima empresa para se trabalhar pela consultoria Great Place to Work (GPTW). Atualmente, emprega aproximadamente 2 mil pessoas. O nome Iguá é uma referência direta ao universo em que atua: em tupi-guarani, “ig” quer dizer água. www.igua.com.br.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLivre de febre aftosa: carne mato-grossense terá abertura para novos mercados
Próximo artigoOperação da PC investiga suposto esquema de contratação de servidores fantasmas em Cuiabá