O remake de Mulan está chegando, mas sem as músicas tradicionais da animação

“Não cantamos quando vamos para guerra”, justifica cineasta

O remake do clássico animado Mulan não vai ter a tradicional “cantoria” da Disney. E apesar da reclamação dos fãs, a empresa está segura com a decisão da cineasta Niki Caro.

Em entrevista ao Digital Spy, ela comentou que o realismo que se quer passar no filme é a principal razão para ter deixado as canções de fora da produção.

“Não costumamos cantar quando vamos para a guerra. Não estou dizendo nada contra a animação. As canções são brilhantes e, se eu pudesse colocá-las lá, eu faria. Porém, honraremos a música do original de uma forma significativa”, disse.

A diretora também falou da ausência de Mushu, o querido dragão do filme original, e explicou que a Fênix se tornou o mascote desta vez, mas sem a intenção de tomar o lugar do personagem amado pelos fãs.

“Nesse filme, há uma criatura representativa – uma representação dos ancestrais e mais especificamente da relação de Mulan com o pai. Mas uma atualização em Mushu? Não”, finaliza.

A trama se passa na China da Dinastia Han. Após o país ser invadido pelos Xiongnu, o imperador decreta que, pelo menos, um homem de cada família precisa integrar o exército que protegerá a nação.

Para poupar seu pai adoentado de ter de partir para o campo de batalha, a jovem Mulan se passa por homem e decide que lutará até o fim pela liberdade chinesa.

Mulan estreia em 26 de março de 2020 no Brasil.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm 2019, brasileiros gastaram mais de 3h30 de seus meses em aplicativos de celular
Próximo artigoGoverno criará secretaria para agilizar entrada do Brasil na OCDE