O que você precisa saber sobre a nova regulamentação do WhatsApp?

Nova regulamentação permite que o WhatsApp compartilhe dados pessoais do usuário, com o Facebook

(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O WhatsApp é um aplicativo de conversas muito usado pelos brasileiros e, como qualquer outro aplicativo, passa por constantes atualizações. E a nova atualização da plataforma vai trazer uma regulamentação aprovada em 2018, mas que passa a ser válida no dia 15 de maio deste ano.

Entre as mudanças está a obrigatoriedade de aceitação do termo de uso do aplicativo: quem não aceitar, não poderá usar o aplicativo.

Professores e pesquisadores em Direito Digital e da área de computação da USP alertam, no entanto, para os cuidados que os usuários devem ter com essas mudanças.

Segundo a professora Cristina Godoy Bernardo de Oliveira, da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP, a obrigatoriedade de aceitação do termo de uso do aplicativo vai contra o artigo 5º, inciso 12 da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

A norma estabelece que esse consentimento é uma manifestação livre.

A professora lembra que existem outros aplicativos de conversa como alternativa para os usuários, como: Telegram, Viber e Signal.

“O WhatsApp deve ser usado para fins comerciais ou políticos”, orienta. Ainda segundo Cristina, os usuários devem ter uma maior preocupação com seus dados para que as plataformas comecem a ter mais responsabilidade com essas informações.

Interface com o Facebook

A nova regulamentação permite que o WhatsApp compartilhe dados pessoais do usuário, com o Facebook. São os chamados metadados, como o número de telefone, a fotografia e o número de identificação digital do aparelho, com dados de localização do celular ou outro dispositivo.

As conversas e ligações continuam criptografadas, portanto, não são armazenadas no servidor do aplicativo e continuam em sigilo.

O professor Evandro Eduardo Seron Ruiz, do Departamento de Computação e Matemática da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, explica que essa alteração se dá pela integração que o Facebook tem feito com os aplicativos dos quais é dono (Instagram, WhatsApp e o Facebook Messenger).

“O Procon de São Paulo intimou o WhastApp para prestar esclarecimentos sobre a nova regulamentação e o usuário deve ficar atento às políticas de privacidade dos aplicativos que usa”, alerta.

(Com Jornal da USP)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFake news (de novo)
Próximo artigoAsteroide que passará próximo à Terra pode ser observado neste domingo