O que o plano de saúde deve pagar? Questão será votada pelo STF nesta 4ª feira

STJ volta a discutir a lista de atendimento obrigatório dos planos de saúde

Imagem ilustrativa (Foto: Freepik)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve votar, nesta quarta-feira (8), o rol taxativo da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A lista consiste nos atendimentos obrigatórios dos planos de saúde. Porém, a medida sinaliza preocupação para quem depende de tratamento contínuo.

A definição atualmente é exemplificativa, sendo assim, não é seguida à risca. Ou seja, existem doenças que não estão ali contempladas, mas, por meio de decisões judiciais, os pacientes conseguem garantir os tratamentos. Entretanto, com a mudança de entendimento, os beneficiários dos planos de saúde terão que arcar sozinhos com os custos.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) avalia que a aprovação do rol taxativo coloca os beneficiários em situação de extrema vulnerabilidade diante das operadoras de plano de saúde. O acesso a tratamentos e medicamentos, hoje protegidos pela Lei de Planos de Saúde e pelo Código de Defesa do Consumidor, pode ser negado, mesmo decorrente de  prescrições médicas. 

“A mudança dessa interpretação, como propõem a ANS e as operadoras, colocaria todo o sistema em uma situação de insegurança. Tratamentos diversos poderão ser negados a famílias com respaldo jurídico e o problema repercutirá também no sistema público de saúde com mais sobrecargas”, afirma Ana Carolina Navarrete, coordenadora do Programa de Saúde do Idec.

Para a Associação de Doenças Raras de Mato Grosso não é possível fazer a definição porque cada pessoa tem a sua particularidade que deve ser observada durante o tratamento. “É um retrocesso, não podemos aceitar. Se hoje, já é difícil, imagine como vai ficar se limitar?”, questiona o presidente da associação, Anderson Barbalho.

Diony Marcislaine de Souza Dutra, é uma das representantes da Associação dos Amigos dos Autistas Neurodiversos e Pessoas com Doenças Raras (Amand) que foi até Brasília acompanhar o julgamento. Ela tem um filho autista que realiza em torno de 40 horas semanais de terapia e se preocupa que a criança perca o direito de continuar esse tratamento. “Se ele ficar sem vai regredir o que já desenvolveu”, comenta apreensiva.

“Além disso, essa aprovação vai refletir no Sistema Único de Saúde (SUS) porque muita gente vai buscar o serviço público que vai ficar ainda mais sobrecarregado”, argumenta.

Julgamento

O julgamento no STJ começou em setembro de 2021, com a apresentação do voto do relator, ministro Luis Felipe Salomão, defendendo a taxatividade da lista. O argumento do relator é que a medida já é adotada em outros países, e também é necessária para proteger os beneficiários dos planos de aumentos excessivos e assegurar a avaliação de novas tecnologias na área de saúde.

Por outro lado, Salomão apresentou uma série de hipóteses excepcionais em que seria possível determinar à operadora de saúde a cobertura de procedimentos não previstos expressamente pela ANS. Entre essas hipóteses, apontou, estão terapias com recomendação expressa do Conselho Federal de Medicina (CFM) que possuam comprovada eficiência para tratamentos específicos.

O relator também considerou possível a exceção para fornecimento de medicamentos relacionados ao tratamento do câncer e de prescrição off label – quando o remédio é usado para um tratamento não previsto na bula.

O julgamento foi suspenso após a ministra Nancy Andrighi pedir vista. Em fevereiro deste ano, quando o julgamento foi retomado, Andrighi  argumentou que a ANS não tem a prerrogativa de limitar o alcance das coberturas, quando a própria lei que regula o setor não o faz. 

A ministra também defendeu que o rol exemplificativo dá proteção ao consumidor contra a exploração predatória das empresas. Além disso, ela ainda utilizou dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e da própria ANS para contestar a afirmação de que a manutenção do atual modelo encareceria as mensalidades dos planos.

À época, o ministro Villas Bôas Cueva pediu vista e agora, hoje, o tema volta a ser discutido pelo STJ.

Mobilização

Na porta do STJ, manifestantes se mobilizam contra a definição do rol taxativo, na esperança de sensibilizar os ministros.

Em Mato Grosso, a manifestação acontece em frente ao Tribunal de Justiça, em Cuiabá, a partir das 13h, desta quarta-feira (7).

LEIA TAMBÉM

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPensando em energia solar? 60% dos consumidores desconhecem linhas de financiamento
Próximo artigoFórum e TJ retomam medidas de biossegurança contra a proliferação da covid-19