O que o aniversário de 23 cidades de MT tem a ver com a disputa pela floresta amazônica?

Emancipação administrativa de municípios serviu para dar prestígio ao novo Mato Grosso e para marcar território contra a França

(Foto: Reprodução/Prefeitura de Tangará da Serra)

Em 1979, 38 vilas e distritos de Mato Grosso receberam o status de município; 23 fazem aniversário em 13 de maio. Havia dois anos da divisão política com Mato Grosso do Sul e busca por prestígio. 

A afirmação como Estado passava por números que indicassem crescimento. Os órgãos governamentais exigiam, por exemplo, que a emancipação administrativa fosse concedida a localidades com um mínimo de cinco mil habitantes. 

Com manobra na estatística, o status de municípios concedido naquele ano fez o total de cidades em Mato Grosso dobrar. Setembro é outro mês que concentra um número incomum de cidades aniversariantes. 

Na lista estão cidades como Tangará da Serra, Nova Olímpia, Indiavaí, Comodoro, Porto Esperidião e Reserva do Cabaçal. 

Porém, o então presidente militar da época, Ernesto Geisel, tinha uma estratégia internacional de defesa do território com o prestígio de Mato Grosso. Ele queria impedir o avanço da França sobre a Floresta Amazônica. 

“Naquela época a França e outros países tinham entrado e começaram a ver a Floresta Amazônica como um local de potencial. Um dos países que teve exploração comercial pela França foi Suécia, em Estocolmo, que virou grande exportadora de madeira”, diz o analista político Onofre Ribeiro. 

Segundo ele, o lema desenvolvido pelo governo militar era “integrar” as regiões norte e sul do país para “não entregar” aos estrangeiros. A década de 1970 marcaria dois eventos paralelos: o início do boom populacional de Mato Grosso e o do “fetiche europeu” pela Amazônia. 

O discurso ainda não era climático, a economia agropecuária era germinal. O assunto sobre a sustentabilidade começou a repercutir no Eco 92, realizada no Rio de Janeiro. 

O debate durou anos depois e entrou numa certa calmaria até ser remexido em 2019 pelo presidente francês Emmanuel Macron. O objeto de disputa continuou o mesmo, mas com o foco em efeitos internacionais para o clima.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBotucatu inicia vacinação em massa da população adulta
Próximo artigoProfessores começam a ser vacinados contra a Influenza a partir de segunda