O produtor rural não é o vilão!

Mato Grosso é o celeiro do agronegócio e representa hoje mais de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado. No Brasil, 70% dos alimentos que chegam à mesa vem do suor e esforço do trabalho de produtores rurais. Ainda assim, na maioria das vezes são considerados os “vilões” na cadeia produtiva, os que ganham dinheiro e ficam ricos.

No entanto, a história não é bem assim. O produtor rural é o que move a economia do país no batente árduo do arado. Ainda que venha ficar com a “corda no pescoço” quando precisa de empréstimo a juros altos para investir, por exemplo, em uma colheitadeira de R$ 2,5 milhões. Preço de apenas um dos maquinários utilizados e que com seis meses de uso já desvalorizou de 40% a 50%, sem falar dos custos de manutenção.

Quando se fala de produtor rural, é preciso calcular os gastos com adubo, calcário, insumos em sua maioria importados a preços comandados por mercados internacionais (preços dos fertilizantes foram nas alturas com a guerra da Rússia e Ucrânia). E a terra para plantar? A mais em conta avaliada em torno de 600 sacas de soja o hectare.

Produtores considerados bem-sucedidos no agro nos dias atuais assim se destacaram a duras penas, dificuldade e sofrimento. Foram eles que em sua maioria fundaram a maioria das cidades de Mato Grosso, custeando aberturas de estradas, pavimentação de rodovias, construção de igrejas e escolas. E essa conta ninguém mostra. O produtor rural precisou investir em tecnologia para o campo e esse dinheiro, geralmente, veio de empréstimos com altas taxas de juros.

É o produtor rural também que arca com os passivos ambientais. É claro que o cuidar da floresta e aqui não se nega o dever de proteger o meio ambiente, mas porque a conta só cai nas costas do produtor rural brasileiro? Não se vê bancos financeiros pagando passivos e mantendo floresta em pé. Na verdade, exigem um ativo ambiental bacana, cuidado e zelado pelo produtor. E, ainda assim, os produtores são taxados de poluidores porque o gado emite gás metano e máquina agrícola gás carbônico.

E se chover demais? A boa colheita não vem. E se chover pouco? A soja, o milho não nascem. O produtor rural que arca com os prejuízos e ainda assim é marginalizado quando se está numa recuperação judicial ou acordo de recuperação de crédito. E ele não chegou nessa situação porque desviou dinheiro ou tem valores, diamantes e bens guardados nas ilhas Cayman. É porque esse produtor rural trabalha e tem tudo alavancado. Ou seja, está endividado porque o custo para plantar é alto e só quem está na lida do campo sabe o preço que se paga.

Em Mato Grosso, mais de 90% dos grandes produtores possuem algum tipo de dívida. E é esse mesmo produtor rural que gera em torno de mil empregos diretos e indiretos em uma fazenda de médio porte. A cadeia produtiva tem um custo enorme e quem ganha no final das contas? Sem sombra de dúvidas as tradings que operam no mercado financiando o agricultor com compra de safra adiantada, via cédula de produtor rural, e juros diretos e indiretos altos. São esses mesmos financiadores que também negociam para o produtor os insumos necessários e assim ganham dos dois lados.

Isso tem sido um problema para o sistema produtivo brasileiro. Compram uma saca de soja por R$ 160 e vendem por R$ 400 para o mercado internacional. Esses sim são os que estão levando uma grande fatia do negócio do agro, setor econômico este que sustentou o país na época da pandemia e que continua sendo a alavanca do país. Neste contexto, falo também dos pequenos produtores que vendem a alface por R$ 1, mas o preço no mercado está R$ 5. A culpa fica com o produtor, mas não é ele o vilão do sistema.

Antônio Frange Jr. é advogado especialista em recuperação judicial e produtor rural

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInauguração de sede
Próximo artigoBrasil tem primeira suspeita de varíola do macaco