O poder do Efeito Indústria

Industrializar produtos básicos pode gerar mais de 300% de agregação de valor, além de outros benefícios, como emprego, renda, consumo e arrecadação

O estado de Mato Grosso é uma potência produtora de bens de consumo básicos, dentre os quais soja, milho, algodão, minérios, madeira e carnes (bovina, suína e aves). Essa produção primária tem produzido resultados positivos para o estado, exemplo disso é que, em 16 anos, o PIB (Produto Interno Bruto) de Mato Grosso cresceu mais de 600%, saltando de R$ 19,1 bilhões, em 2002, para R$ 137,4 bilhões, em 2018, em valores nominais.

A indústria mato-grossense também tem acompanhado esse crescimento, pois, entre esses mesmos anos, o seu VAB (Valor Adicionado Bruto) cresceu 537%.

Toda essa riqueza também chamou a atenção de pessoas de outros estados brasileiros e, até mesmo, de outros países. Atraídas pelo potencial econômico do estado, ao realizarem a migração, provocaram uma explosão demográfica, cuja população, que, em 1991, era de 2.027.231, atingiu o número de 3.441.998 em 2018, registrando um crescimento populacional de 69,7% em MT e de 46% no país.

Além disso, o rendimento nominal mensal domiciliar per capita do estado também é destaque, cujo valor hoje é de R$ 1.401,00, ocupando a 8ª colocação entre os estados da Federação.

Agregação de valor e geração de empregos

De acordo com os números disponibilizados pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), em 2021, o estado tem 9.322 indústrias que empregam formalmente 149.482 pessoas, números esses que podem crescer com o avanço da indústria, isso porque a verticalização, cada vez maior da produção, além da agregação de valor, gera empregos, oportuniza uma renda maior e promove o consumo, o que causa o aumento na arrecadação de impostos.

Assim, com mais recursos em caixa, o Estado pode investir na melhoria da infraestrutura, educação, saúde e segurança, levando benefícios a todos os cidadãos.

Para entender um pouco mais sobre a geração de valor do Efeito Indústria, vamos analisar a atuação sobre o milho. Atualmente, uma saca (60 kg) de milho in natura é comercializada a R$ 77,00, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) e, como produto de exportação, tem isenção de ICMS, conforme disposto na Lei Kandir.

Assim, o milho exportado gera R$ 77,00 de riqueza por saca para o estado. No entanto, se for industrializada no estado, na cadeia do etanol de milho, por exemplo, essa mesma saca de milho agrega 280% ao seu valor, saltando de R$ 77,00 para R$ 223,30.

Estudos do Observatório da Indústria, da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), mostram que, no estado, 50% do milho que é exportado, se industrializarmos, a agregação de valor poderá até triplicar. Como exemplo, em 2019 o estado exportou in natura 23.994.145 toneladas, em que 50% dessa exportação, ou seja, 11.997.072 de toneladas, geraram uma riqueza de R$ 5,6 bilhões.

Desafios a superar

O Observatório da Indústria estudou também o Efeito Indústria no algodão e descobriu que, se fossem beneficiados aqui, 30% do que é exportado in natura, os ganhos seriam de até 730% de agregação de valor, com geração de 95.000 empregos. Analisou, ainda, a construção civil e constatou que construir 40.000 casas populares gera até 115.000 empregos durante o período de execução do projeto.

Contudo, para potencializar o Efeito Indústria, a sociedade mato-grossense tem importantes desafios a serem superados, que impactam na competitividade das nossas empresas: a longa distância dos principais mercados consumidores; um mercado consumidor pequeno, de 3,4 milhões de habitantes, distribuído em dimensões continentais de 903.357 km² e o alto custo de produção, como o do óleo diesel e da energia elétrica, que estão entre as mais caras do país, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Ainda como desafio é preciso pensar em ações que permitam a geração de economias de escala, de novos produtos baseados em insumos localmente abundantes e do aprimoramento técnico-produtivo das indústrias locais; além da qualificação de mão de obra, do investimento em educação e de um sistema tributário que facilite o dia a dia das empresas, bem como possibilite a redução de custos das empresas, entre eles, os do óleo diesel e da energia.

O poder do Efeito Indústria é real e tem como resultado gerar benefícios econômicos e sociais. Vamos juntos criar ou apoiar as condições necessárias para o avanço da indústria em nosso estado? Pense bem, você prefere vender uma porção de produto básico e ganhar R$ 77 ou industrializar essa mesma porção de produto e ganhar R$ 223,30?

(Fontes de consulta: CNI, Firjan, IBGE, Imea e Observatório da Indústria da Fiemt)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

[i] Mauro Sergio dos Santos é economista, bacharel em Direito, pós-graduado em Consultoria e Gestão Organizacional e em Gestão Empresarial pela FGV. Atualmente é Superintendente da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorKit Harington enfrentou problemas de saúde mental durante gravações de Game of Thrones
Próximo artigoElenco de Esquadrão Suicida comenta sobre possível versão do diretor