O Dia do Diplomata e os Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Por: Paulo César Alves Rocha*

 

Nesta quarta-feira, 20 de abril, é comemorado o Dia do Diplomata. Em um ano de incertezas políticas, diversos desafios para o comércio exterior brasileiro e pouca aplicabilidade de medidas para a aceleração comercial internacional do Brasil, a grande questão que se apresenta é: está a diplomacia brasileira preparada para resgatar o protagonismo comercial brasileiro nos blocos econômicos mundiais? Alguns aspectos precisam ser considerados nessa análise.
O afastamento do Brasil da nova política americana empreendida por Joe Biden, bem como a postura mais neutra e refratária nos organismos internacionais serão um grande desafio para a retomada segura do comércio exterior no Brasil. Entre os principais entraves para a gestão interna está a questão do alto custo tributário no país.
Sem um planejamento a longo prazo para os setores de logística, transportes e navegação no Brasil, será quase que impossível para o corpo diplomático brasileiro assegurar um protagonismo e atração do país no cenário internacional. A dinâmica da Indústria, por exemplo, no que se refere a tributação é um grande impeditivo para acelerar, literalmente, o crescimento do país no contexto internacional.
Indústrias de motores a combustão, de válvulas e de tubulação por vezes não se instalam no Brasil, embora aqui o mercado seja grande. A questão é centrada na tributação, para uma siderúrgica é por vezes mais seguro juridicamente exportar produtos de aço do que vender no mercado nacional a regimes tributários/aduaneiros que por vezes são sujeitos à contestação pelas autoridades tributárias. Para a indústria naval por sua vez é mais seguro importar com tributação por vezes reduzida em regimes tributários e aduaneiros do que tentar comprar no mercado nacional os mesmos produtos, por falta de segurança jurídica nos mesmos regimes.
Enquanto o Brasil engatinha na propositura de soluções de gestão no mercado interno, a concorrência para os produtos brasileiros no exterior é grande. A união dos EUA com a França pressiona comercialmente o Brasil para exportação, principalmente de produtos agrícolas. A França tem total interesse em diminuir a aceitação dos produtos brasileiros em favor dos produtos franceses na Europa. As consequências comerciais para o Brasil, se nada for feito imediatamente, serão desastrosas.
Independente do governo que venha a ser eleito este ano no Brasil, resolver este imbróglio e aumentar a atratividade do Brasil no exterior serão grandes desafios. Nós precisaremos desse comércio internacional para impulsionar a recuperação econômica neste momento pós pandemia. O Brasil deve participar mais dos Blocos econômicos.
O Brasil precisa voltar a ser proativo nos blocos comerciais. O Itamaraty terá que reformular suas posições. Não é mais possível permanecer restrito a uma lógica de parcerias com governos e não com as nações — inclusive integradas nos Blocos. Na prática, uma estratégia não anula a outra e o Brasil precisa estar preparado para lidar com este novo contexto, e rápido.
*Paulo César Alves Rocha é especialista em infraestrutura, logística e comércio exterior com mais de 50 anos de experiência em infraestrutura, transportes, logística, inovação, políticas públicas de habitação, saneamento e comércio exterior brasileiro. Mestre em Economía y Finanzas Internacionales y Comércio Exterior e pós-graduado em Comércio Internacional pela Universidade de Barcelona. É mestre em Engenharia de Transportes (Planejamento Estratégico, Engenharia e Logística) pela COPPE-UFRJ. Pós-graduado em Engenharia de Transportes pela UFRJ e graduado em Engenharia Industrial Mecânica pela Universidade Federal Fluminense. Tem diversos livros editados nas Edições Aduaneiras.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGovernador Mauro Mendes declara apoio a reeleição de Bolsonaro
Próximo artigoConseguimos barrar as pautas do aborto e ideologia de gênero, diz Bolsonaro em Cuiabá