O “bolsonarismo” existe?

O povo brasileiro despertou de seu longo sono político

Peronismo: discurso de salvação e busca por perpetuação no poder (AP)

Resolvi ressuscitar esse artigo (publicado aqui inicialmente em setembro de 2019, para responder a um livro medíocre escrito por um teólogo de internet (Yago Martins) contra o que ele chama de “Bolsonarismo como movimento religioso”.

A proposta de Yago não pode ser mais falsa nem lugar-comum, como este texto de 2019 vai mostrar.

Yago foi entrevistado recentemente por outro ressentido com o governo, o colunista da Gazeta do Povo Guilherme de Carvalho. Na entrevista ele compara a sua iniciativa de análise do movimento “religioso” bolsonarista ao empreendimento intelectual de James, Scheler, Comte, Feuerbach, e a muitos outros filósofos de peso – a lista é extensa.

A arrogância do youtuber parece não ter limites. Haja paciência. Os leitores que me acompanham sabem que não tenho a pretensão de filosofar, nem de virar entretenimento de intelectualóides pseudo-conservadores.

O papo aqui é breve e direto. O bolsonarismo se compara ao peronismo, o mais duradouro e resiliente movimento político populista do continente? Essa é a pergunta que tento responder.

Vamos ao texto de 2019:

Analistas erram muito quando recorrem a fórmulas simples para tentar interpretar momentos históricos complexos. A meu ver um dos erros que está sendo cometido pelos analistas políticos de direita e esquerda hoje é crer na existência de um movimento quasi-religioso em torno do presidente Bolsonaro, o chamado “bolsonarismo”… Será que este tal  bolsonarismo existe mesmo?

Vamos voltar ao “peronismo”, o movimento que entronizou a figura de Juan Domingo Perón, eleito três vezes presidente da Argentina, para entender como um movimento político personalista se definiria. Perón alcançou o status de semideus político graças a circunstâncias muito próprias à Argentina dos meados do século XX.

O país empobrecido se rendeu ao carisma pessoal de Evita, que se tornou uma espécie de alter-ego bem-sucedido do trabalhador argentino. Una-se à devoção que Evita inspirava ao discurso populista do ditador e vemos nascer um movimento e uma ideologia política que foi seguida depois por seus sucessores, e os ajudou a vencer nove das 12 eleições que disputaram.

Nossos analistas brasileiros, sem muito critério, apressam-se em incorporar o sufixo “-ismo” ao apoio popular à recém-nascida presidência de Bolsonaro, o que a meu ver é um sufixo desnecessário e falacioso.

O apoio a Juan Domingos Perón virou o “peronismo” não só devido ao eco que sua figura teve com o público, mas por algumas características que não estão presentes no atual movimento de apoio a Bolsonaro. O peronismo em primeiro lugar tinha como base política um discurso populista.

Reconheço que a palavra populismo está desgastada. Mas na definição tradicional o político populista trabalha com uma redução da ideia de povo a uma alegoria. O “povo” para esta abordagem política é uma massa abstrata amalgamada em torno de algumas percepções emocionais, do tipo “injustiçado pelas elites” ou “explorados pelo capitalismo.” Me lembra outro personagem da política brasileira, que se referia constantemente aos “trabaiadô.”

Monólogo e messianismo

O político que trabalha nessa base não dialoga com o “povo.” Sua interação com os eleitores é um monólogo pautado no louvor a seu autoproclamado messianismo – “nunca antes na história deste país”, é um outro exemplo desse tipo de retórica. O indivíduo nessa posição se percebe como parte do povo e como a resposta para todos os seus problemas.

A política populista funciona como uma força centrípeta, atraindo todos os seus projetos, propostas e interações para seu centro personalista. Até a iniciativa social o PT queria controlar completamente. O nosso lulismo é sim uma versão tupiniquim do peronismo  Lula usava a sua pseudo-condição de “povo” para propor medidas que na verdade tinham como efeito submeter o povo à agenda elaborada por ele e pela elite de seu partido. Eles incorporavam o povo, o julgamento e visão.

A principal proposta desse populismo é recompensar ou ressarcir a massa pelas perdas que ele como político identifica e tem o foco no presente. O governo Bolsonaro até agora tem preferido ver o governo como força centrífuga, responsável por descentralizar e soltar as amarras para que a sociedade civil tome mais espaço na construção do novo país.

Outra característica do peronismo foi ter se estabelecido através de privilegiar coalisões corporativistas, rejeitando os princípios liberais que teriam tirado as amarras da economia do país em nome de uma rejeição ao “capitalismo”. Além disto, pretendia se consolidar como o principal partido no poder, com uma clara intenção de perpetuidade soberana.

Se o populismo quase-religioso se assemelha a algum movimento político no Brasil, é sem duvida com o lulismo. O corporativismo do lulismo, por exemplo, fica cada vez mais patente com as revelações da Lava-Jato. O Estado Populista do Brasil que reinou de 2002 a 2016 tinha como objetivo estabelecer um grupo de megaempresários amigos do poder como donos do Brasil. Neste sentido ele era como queria Perón para a Argentina: um Estado nem capitalista e nem comunista, era a terceira-via populista, o  Estado que tinha como verdadeiros donos o partido e seus comparsas.

Bolsonaro não se elegeu nesses termos. Ele não enganou o povo com uma fala doce para obter apoio na eleição. Não prometeu mundos e fundos e nem benesses gratuitas do governo. Sofrendo de “sincericite” aguda, como disse alguém, sempre foi honesto ao avaliar a situação do país. Atreveu-se a propor uma agenda negativa, de aperto das contas do governo, uma grande reforma previdenciária e mais policiamento.

O povo, de maneira inédita neste Brasil acostumado com desmandos, escolheu este deputado do baixo clero como seu porta-voz. Foi o povo quem o fez. A força de sua candidatura não operava de cima para baixo, como as candidaturas anteriores, ou a de seu concorrente principal. Até então todos os candidatos eram dependentes de um caríssimo aparato de marketing para se fazerem perceber como relevantes. Mas a ascensão do “Mito” Bolsonaro mudou essa equação.

Ele não se propôs a si mesmo, não foi produto de um marqueteiro espertíssimo cobrando milhões.  Bolsonaro não criou uma “persona” para se eleger. Era o mesmo boquirroto de sempre, mas foi escolhido pelo povo como seu candidato. Sua candidatura teria sido pequena e até passado desapercebida se o povo, num determinado momento, não tivesse percebido que novamente repetiria a farsa dos anos passados, comprando gato por lebre se escolhesse qualquer um dos outros candidatos.

O eleitor tornou relevante este obscuro deputado sem uma carreira de peso no Congresso porque viu nele alguém que enxergava o momento do país da mesma maneira que ele próprio. Quem construiu o mito não foi o político. A história das mensagens do WhatsApp pagas por verba de campanha sustentada pela esquerda após a eleição só parecia plausível aos que estavam muito distantes das casas dos brasileiros.

Quem ouvia as ruas sabia que era um momento em que o país passaria por uma mudança cultural radical. O povo havia despertado de seu longo sono político.

Foram as “tias do Zap” que construíram em Bolsonaro a figura do político honesto, o estadista pró-país e pró-futuro em que eles escolheram confiar. Estas “tias” que mereceram o apelido pejorativo não eram poucas, eram mais de 50 milhões de brasileiros.

Mas a pergunta fica: era a eleição de Bolsonaro mesmo o alvo final desse movimento? Este povo que optou pela lucidez de uma mudança política radical optou também pela lealdade cega a seu novo eleito? Atrevo-me a crer que não. Atrevo-me a pensar que a maturidade que levou o povo a construir um candidato anti-populista e catapultá-lo ao poder também o está mantendo sob vigilância. O que vejo no Brasil não é um bolsonarismo, a devoção religiosa ao presidente, ou a uma agenda populista construída no emocionalismo de um pai-Estado como os peronistas da Argentina. O brasileiro, ao contrário, quer menos intervenção. Enquanto os ressentidos se preocupam em propalar o que o governo deixou de fazer, o povo consciente se ocupa em cuidar para que suas liberdades nao sejam mais uma vez infligidas com a imposição de políticas autoritárias.

Estamos vendo o nascimento de uma nova consciência política, cujo alvo final é  ver o país transformado. Mas é um consciência que tem os pés no chão. Sabemos que as reformas não serão feitas do dia para a noite. Há muitas âncoras impedindo o Brasil de navegar e a maioria delas estão dentro dos três poderes.

O povo vai ficar com o presidente enquanto ele demonstrar o caráter independente e íntegro que demonstrou até agora. O povo que elegeu a si mesmo na figura dele quer probidade, independência e compromisso com a agenda liberal-conservadora. Bolsonaro, até agora tem correspondido.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

7 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns, primeira análise, que leio em MT, pertinente sobre o nosso atual momento político e cultural. Não se trata de gostar ou não do PR Bolsonaro, mas de reconhecer que ele soube representar o anseio popular, sendo ele mesmo.

  2. Nós verdadeiros brasileiros conscientes do momento
    politlitico em que passamos, onde derrotados e sugadores socialistas, comunistas inconsequentes, onde vale tudo para denegrir a imagem do nosso Presidente eleito defensor da ética e bons costumes,não podemos baixar a guarda pois eles são oportunistas e cegos ao Brasil que queremos. Nós somos.mais que Bolsonarianos, pois não nos rótulos. Nós somos sim BRAVA GENTE brsileira e vamos defender nosso País e nossos princípios e nosso Mito, custe o custar. Vermelho nunca mais

  3. Mas tudo o que você falou sobre populismo cai como uma luva para o bolsonarismo. As pessoas foram (e continuam sendo enganadas) por uma avalanche de fake news, a ponto de acreditarem que quase toda a imprensa é mentirosa, só ele está certo. Sem contar que o próprio Bolsonaro faz insinuações a ser “o messias”. As pessoas “fecham” com eles faça ele o que fizer. É um verdadeiro fanatismo não só político, mas praticamente religioso também! Tanto que ele usa o nome de Deus em seu slogan de campanha.
    Você mesmo disse que os analistas apontam para a existência de um bolsonarista. Será que os analistas estão errados? Será que opinião de tantos cientistas políticos, de diversas polaridades, não vale nada e estão todos iludidos? Quem será que se iludiu, deixando-se levar pela emoções gerada por notícias duvidosas?

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPresos de Mato Grosso terão que pagar pela tornozeleira eletrônica
Próximo artigoBatman leva menina vítima de bullying para a escola e intimida agressores