“Nunca serei politicamente correta”, diz Gloria Maria, após polêmica

A polêmica começou quando em entrevista a apresentadora reclamou de tudo ser considerado racismo, preconceito e assédio

(Reprodução)

A jornalista e apresentadora Gloria Maria decidiu se pronunciar e rebateu as críticas que vem recebendo nas redes sociais. A polêmica começou depois que Gloria reclamou da banalização de alguns termos e ter afirmado que “é um saco” tudo ser considerado racismo, preconceito e assédio hoje em dia.

Depois da fala, o nome da apresentadora ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter: até a amanhã desta quinta-feira (1º), o perfil de Gloria nas redes sociais já tinha milhares de citações.

“Eu acho tudo isso um saco. Hoje tudo é racismo, preconceito e assédio. A equipe com que trabalho me chama de ‘neguinha’, de uma forma amorosa e carinhosa. Estou mais de 40 anos na televisão, já fui paquerada, mas nunca me senti assediada moralmente. O assedio é algo que te fere, é grosseiro, desmoraliza. Existe uma cultura hoje que nada pode. Tem que ter uma diferenciação, não dá para generalizar tudo. O politicamente correto é um porre. Acredito que o politicamente correto é o caráter, a honestidade. Esse mundo que a gente está vem muito da amargura das pessoas, não aceito”, disse a apresentadora.

Depois de receber críticas e milhares de elogios, Gloria se posicionou nas redes sociais. A jornalista publicou um vídeo de um desfile da Mangueira, no Carnaval de 1988, onde viveu a líder quilombola de Mato Grosso, Tereza de Benguela, a rainha do Quilombo de Quariterê.

“32 anos atrás. Orgulho da minha vida. Da minha história!! Nunca serei politicamente correta! Acho um saco! Sou livre. Rebelde! Ninguém vai me dizer como tenho que viver!”, disse Gloria Maria pelo Instagram.

Veja o vídeo

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImpugnação tripla
Próximo artigoMulheres protagonistas