Número de pacientes com hanseníase em MT é 10 vezes maior que o ideal

Estado é o campeão do Centro Oeste e soma quase 10% dos diagnósticos de todo o país

Mato Grosso vem sofrendo com altas taxas da hanseníase há décadas e somente nos últimos anos começou a atacar o problema de uma forma mais efetiva. Mas, pelas características da doença, esse atraso significa que sequelas causadas à parte dos doentes não vão ser reparadas.

O silêncio em que a contaminação ocorre mascarou a real frente de combate até para a Organização Mundial da Saúde (OMS). A orientação do órgão era que se reduzisse a taxa para 1 paciente a cada 10 mil habitantes.

Foi descoberto recentemente, entretanto, que a situação crônica da doença vem do longo período em que o bacilo causador fica incubado no corpo humano.

“A transmissão da doença ocorre lentamente. A pessoa que recebe o bacilo via área precisa conviver ao menos 12 horas por dia com o primeiro paciente, por um período mínimo de dois anos, para ser infectada. E depois desse tempo, o bacilo leva até mais três anos para começar a se manifestar nesse novo paciente”, explica a técnica do Programa Estadual de Hanseníase, Rejane Finotti.

Esse longo tempo significa que, quando os sintomas mais graves começam a aparecer, já na fase de formação de sequelas, o bacilo está incubado há pelo menos 10 anos. E pelas análises de saúde pública, as chances de um paciente, que só procura tratamento nessa fase, ter infectado outras pessoas é grande.

O sintoma mais evidente da hanseníase são manchas na pele que não têm sensibilidade ao toque (Foto: Freepik)

“A mancha insensível que aparece é sinal de que o bacilo da hanseníase está naquele local. E quando ele aparece dessa forma, já há uma quantidade elevada concentrada naquela região do corpo, apesar de ainda estar na fase inicial da doença”, diz Rejane Finotti.

Se considerada a média brasileira, de quatro pessoas por família, um paciente de hanseníase já em fase de sequelas físicas infectou, pelo menos, os outros três parentes e todos devem ter acompanhamento médico por até cinco anos.

Carga da doença

A técnica de saúde Rejane Finotti diz que o controle da doença é, hoje, feito com pacientes considerados carga da hanseníase. São pessoas abaixo de 15 anos com o bacilo incubado e aquelas que já apresentam sequelas físicas, que são tratadas como pacientes de longa data.

Em 2019, esses grupos representaram 9% do total de novos casos registrados até novembro. O fechamento do balanço anual é feito em março.

São 175 crianças (com menos de 15 anos) e 200 pessoas com sequela.

“São números baixos, em comparação com outros Estados, mas enquanto não tivermos controle da doença nesses dois grupos, não vamos conseguir controlar a doença no público geral, ou seja, incluindo os pacientes em fase mais recente”, diz Finotti.

Ela ressalta que a hanseníase é curável e é adquirida por causa da baixa imunidade das pessoas. Esse quadro, associado à lentidão da ação do bacilo, gera o complicador para o acompanhamento da saúde pública.

“Ainda existe muito preconceito contra a hanseníase, porque ela é associada à antiga lepra. Mas é uma doença curável e, quanto mais cedo o paciente procurar ajuda médica, menor vai ser o tempo de tratamento e chances de novas contaminações”.

Hoje, Mato Grosso acompanha os casos de pacientes “de longa data” e também os que ainda não apresentaram sintomas (Foto: Marcello Casal/Arquivo/Agência Brasil)

Quadro de uma década

Mato Grosso é o Estado com maior índice de hanseníase no Centro Oeste, conforme balanço da OMS. Nos últimos 10 anos (1999-2018), o Estado registrou 63.779 ocorrências. O último balanço foi divulgado em janeiro deste ano.

A taxa de casos descobertos em 2017 foi de 105,2 para cada 100 mil pessoas, cerca de 10 casos para 10 mil pessoas, o que é bem acima da média de 1 para 10 mil que a OMS considera como status de doença controlada.

Em 2014, ano em que o Ministério da Saúde já alertava para o alto índice de contaminação, a taxa estava em 7,9 casos para cada 100 mil habitantes.

Os vizinhos no Centro Oeste estavam bem abaixo: Mato Grosso do Sul (3,58) e Distrito Federal (0,91) foram as unidades federativas que apareceram na lista.

Pelo novo levantamento divulgado em janeiro, os 63.779 casos em Mato Grosso correspondem 8,3% de todo território nacional. O Brasil é o segundo país com mais casos dessa doença no mundo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLupa para ver melhor
Próximo artigoAstro de O Senhor dos Anéis, Orlando Bloom erra em tatuagem para filho

O LIVRE ADS