Número de casos de dengue caiu 21% em relação ao ano passado, mas doença ainda requer atenção

Foram 627 casos confirmados entre janeiros e novembro deste ano segundo a Secretaria Municipal de Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde realiza entrada compulsória em imóvel localizado no bairro do Flamengo. A atividade integra as ações da Prefeitura do Rio de combate à dengue em toda a cidade (Tânia Rêga/Agência Brasil)

Cuiabá registrou, ao longo deste ano, 627 casos confirmados de dengue, 4 de zika e 14 de Chikungunya. Os números são menores do que os registrados no ano passado, quando se confirmaram 794 casos de dengue, 10 casos de zika (sendo 2 de gestantes) e 17 casos de Chikungunya.

Em relação aos casos de dengue, a redução foi de 21%. Já para a Zika e Chikungunya, decréscimo de 60% e 17% respectivamente.

Uma das ações consideradas essenciais para a redução dos números, conforme análise da Secretaria Municipal de Sáude, é o retorno das atividades regulares dos agentes de combate a endemias, que realizaram visitas em 1.160.383 imóveis entre janeiro e novembro deste ano, 243 mil a mais do que em todo o ano de 2020.

Assim como é feito em todas as visitas ao longo do ano, neste período chuvoso a Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ) intensifica as orientações quanto ao combate ao mosquito Aedes aegypti, mostrando que reservando 10 minutos por semana para fazer a vistoria e limpeza do quintal, é possível prevenir as doenças transmitidas pelo inseto.

“Dez minutos por semana são suficientes porque o ciclo de vida do mosquito leva de 7 a 9 dias, do ovo até ele se transformar em mosquito adulto. Por isso adotamos essa informação que surgiu em Singapura, é utilizada no Rio de janeiro, Minas Gerais e diversos lugares. Desde 2017 nós trabalhamos essa orientação em canteiros de obras, unidades de saúde e residências”, afirma o agente de combate a endemias, Hélio Simião de Almeida.

Conforme o responsável técnico da UVZ na regional Leste, Daniel Silveira Cintra, é de suma importância que todos os munícipes mantenham seus quintais limpos e reservem atenção especial quanto às caixas d’água, pois nesses reservatórios se encontram 80% dos criadouros de mosquito da dengue.

“População, mantenha seu quintal limpo, livre de lixo, mantenha sua caixa d’água fechada e limpa, receba a visita de rotina do agente de endemia, descarte o lixo de forma correta. Se você tem sofá e esse tipo de coisa para jogar fora, a gente conta com a parceria da Limpurb com o cata-treco. Se você tem uma casa ou terreno, mantenha esse terreno sempre limpo, mesmo que você não more lá, porque ao lado pode ter pessoas que moram”, orienta.

O profissional destaca ainda que diferentemente do coronavírus, que é um inimigo invisível e ainda desconhecido, o Aedes aegypti é um vetor muito conhecido. “Ele não tem mistério, ele é um inimigo visível e a gente sabe muito bem como lidar com ele. A gente preconiza os 10 minutos contra a dengue, mostrando que é muito simples uma vez por semana limpar todos os criadouros”, afirma.

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEntenda as novas regras da Tarifa Social de Energia Elétrica
Próximo artigoTécnica de enfermagem é assassinada por ex-marido na frente da filha