Novas habilidades, idiomas e experiências profissionais levam jovens a buscarem intercâmbios

Em Cuiabá, a AIESEC alinha o desenvolvimento de habilidades profissionais e pessoais com causas sociais

Em 2019, Victor fez um intercâmbio profissional para o Egito (Foto: Arquivo Pessoal)

Cada vez mais o mercado de trabalho exige de seus profissionais habilidades que não são adquiridas nas salas de aula. Organização, resolução de problemas e capacidade de liderar são alguns desses requisitos.

E quando essas qualidades podem ser desenvolvidas em um ambiente completamente diferente da sua realidade, e ainda se alinhar a objetivos de organizações como as Nações Unidas (ONU)? Essa é a proposta da organização não-governamental AIESEC – a maior entidade gerida por jovens em todo o mundo.

A ONG busca impulsionar o crescimento dos jovens por meio das experiências. Para isso, o escritório em Cuiabá oferta atualmente duas modalidades de intercâmbio: O Voluntário Global – focado em vivências sociais em organizações do Terceiro Setor – e o Empreendedor Global, que possibilita experiências profissionais em startups.

O Voluntário Global também permite o recebimento de intercambistas em residências cuiabanas, por meio do programa Lar Global.

Conforme o presidente do escritório local, Kaike Closs, qualquer jovem pode participar, tendo idade entre 18 e 30 anos. E os intercâmbios promovidos pela organização têm custo mais acessível para que mais pessoas possam fazer parte da rede e desenvolver suas habilidades.

A evolução nas competências pessoais, aliás, é palavra chave na AIESEC.

Segundo Kaike, as experiências proporcionadas pela equipe permitem não apenas o aprimoramento de qualidades como relacionamento interpessoal, comunicação e resolução de conflitos, mas também de conhecimentos técnicos e profissionais.

“Fazer um intercâmbio pela AIESEC é diferente porque além de desenvolver essas habilidades, que fazem muita diferença na vida pessoal e profissional, a gente pode agir. Se a gente realmente se incomoda com o mundo que vivemos hoje, e com as lideranças do país e da nossa cidade, a gente precisa tentar fazer alguma coisa”, afirmou.

O presidente ainda explicou que todas as modalidades de intercâmbio se relacionam com algum dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) promovidos pela ONU. São ações que buscam contribuir para a erradicação da pobreza, uma educação de qualidade, igualdade de gênero, crescimento econômico e um consumo e produção sustentável, por exemplo.

Alunos do projeto “Eco Mundo” criaram horta vertical (Foto: Arquivo Pessoal/Victor Fritsch)

Oportunidades e novas culturas

Victor Henrique Fritsch, de 24 anos, foi um dos jovens que apostaram nessa experiência nos últimos anos.

Primeiro ele escolheu realizar um trabalho social, por meio da modalidade Voluntário Global. Seu destino foi Bogotá, na Colômbia, onde trabalho no projeto “Eco Mundo”. Segundo o rapaz, lá ele atuou com crianças de 7 a 12 anos, dando aulas sobre sustentabilidade, reciclagem e meio ambiente.

Na época, Victor viajou com a amiga Danielly Cristina Araújo. Juntos, buscaram uma forma de envolver os alunos e fazê-los preservar o meio ambiente.

Cuiabanos participaram do projeto “Eco Mundo”, em Bogotá (Foto: Arquivo Pessoal)

E a experiência foi tão boa que Victor voltou a procurar a AIESEC para um novo intercâmbio. Dessa vez, ele, que se formou em Arquitetura e Urbanismo no final de 2018, optou por uma experiência profissional, visando aumentar seu currículo para o mercado de trabalho.

Mais uma vez, segundo ele, a experiência foi surpreendente. De agosto a outubro deste ano, Victor trabalhou em uma startup de arquitetura em Alexandria, no Egito.

Segundo ele, o escritório era um dos maiores do país e, com a equipe, ele ficou responsável pela criação e design de um complexo de academia, com lojas, além do espaço fitness.

“Foi incrível. Além dessa parte de criação eu aprendi um software novo, que se chama 3DMax. Você pode criar render de imagens ainda mais real. Foi uma troca muito grande, aprendi muito com eles, estava sempre perguntando e também passei um pouco do meu conhecimento”, conta.

Em 2019, Victor fez um intercâmbio profissional para o Egito (Arquivo Pessoal)

Intercâmbios acessíveis

Para garantir que cada vez mais jovens tenham as mesmas oportunidades de Victor, a AIESEC em Cuiabá também entra no ritmo de Black Friday.

A entidade montou uma tenda no Bloco D do Centro Universitário de Várzea Grande (Univag). Lá a equipe atende a quem tiver interesse em conhecer as vagas de intercâmbio.

Em dois dias específicos (22 e 29 de novembro), as oportunidades estão com preços reduzidos. Quem tiver interesse pode contatar a diretora Anna Sophia, pelo número (65) 99606-3060, ou o presidente Kaike Closs no (66) 99681-5855.

Além do evento de Black Friday, a AIESEC tem local fixo na Avenida Edgar Vieira, do Bairro Boa Esperança, em Cuiabá. O escritório está localizado ao lado do “Sherlock Dog”, em frente à UFMT.

Outras informações também podem ser encontradas no site da organização: https://aiesec.org.br/

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS