Nova Zelândia vence o coronavírus e pode salvar o cinema mundial

Pelo menos duas grandes produções – daquelas bem esperadas pelo público - já têm o reinício das filmagens anunciado

(Foto: Divulgação)

Localizada no meio do Oceano Pacífico, a Nova Zelândia foi o primeiro país do mundo a anunciar o fim da transmissão comunitária do novo coronavírus. E o anúncio foi feito ainda no final de abril. Uma notícia que, agora, é acompanhada da retomada de produções cinematográficas.

O mais curioso de tudo isso é que um dos filmes que voltará a ser gravado no país é um dos mais aguardados pelo público – mais precisamente 11 anos! –:  Avatar 2.

O primeiro filme foi lançado em 2009 e já naquela época se falava em uma sequência, dado o sucesso que fez. O que pouca gente sabe que Avatar também levou mais de uma década para sair do papel.

Segundo o site Omelete, a produção científica dirigida por James Cameron – que também fez Titanic – levou 15 anos (!) para ser produzida.

Sobre o retorno das filmagens da sequência, Jon Landau, produtor do longa disse que todos os envolvidos sentem que estão “voltando ao lugar mais seguro possível do mundo”.

Em uma entrevista à RNZ, reproduzida pelo AdoroCinema, ele afirmou que a equipe de filmagem foi reduzida e que todas as medidas de biossegurança estão sendo adotadas.

A estreia de Avatar 2 está prevista para dezembro de 2021.

O Senhor dos Anéis

Outra produção que voltará a ser gravada na Nova Zelândia é a série O Senhor dos Anéis, que será exibida pela Amazon Prime Video.

Segundo o site Omelete, todas a produções cinematográficas rodadas na Nova Zelândia serão acompanhadas por uma “comissão de filmes” criadas pelo governo do país. Ela é quem vai estabelecer as regras a serem seguidas.

E diversos sindicatos ligados à indústria do Cinema já entraram em contato, em busca de reiniciar projetos parados pela pandemia do novo coroanvírus.

O Senhor dos Anéis também está previsto para iniciar em 2021. A série deve ter cinco temporadas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJosé do Carmo: o milagreiro que nasceu de uma tragédia
Próximo artigoEsporte sem torcida: qual o futuro dos campeonatos sem uma vacina contra o coronavírus?