“Nós vamos proibir que as pessoas exerçam o direito de desmatar?”, questiona Mauro

Governador destaca que Código Brasileiro prevê autorização de desmatamento e que casos legais não podem ser criminalizados

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles e governador Mauro Mendes (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nessa semana apontam que Mato Grosso foi o segundo Estado que registrou os mais altos índices de desmatamento na Amazônia Legal.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (21), o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), minimizou as informações divulgadas. É que, segundo ele, os números não discriminam os casos ilegais e irregulares dos que são autorizados.

De agosto de 2018 a julho de 2019, Mato Grosso contribuiu com 17,26% do desmatamento na Amazônia Legal, segundo o Inpe. Conforme o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), a área total desmatada no Estado é de 1.685 km².

“Ele fala em desmatamento. Mas e se estiver legal? E se tiver autorização? Nós vamos proibir que as pessoas exerçam o direito legal de desmatar?”, questionou Mauro.

A declaração do governador foi feita na presença do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que sobrevoou Cuiabá e Chapada dos Guimarães antes de cumprir agenda no Palácio Paiaguás.

Mauro Mendes destacou que o Código Florestal Brasileiro autoriza o proprietário rural a desmatar 20% das terras, se ficarem na Amazônia Legal. Se a área é no Cerrado, a taxa é de 65%, de acordo com Mauro.

Apesar da previsão legal, o ministro Ricardo Salles ainda afirmou na entrevista que o Código Brasileiro é o mais restritivo do planeta.

O governador alega que é necessário mais transparência nos dados, e por isso, o Estado e o governo federal trabalham para abrir as informações. O objetivo é, portanto, mostrar as taxas de desmatamento ilegal, irregular e o que foi autorizado.

Desmatamento ilegal zero

Mesmo defendendo a previsão de desmatamento em uma área determinada, conforme dita a legislação, Mauro Mendes garantiu que não vai tolerar os casos ilegais.

“Nós aqui de Mato Grosso já fizemos uma profecia da nossa intenção: seremos intolerantes com o desmatamento ilegal. Nós queremos, nos próximos anos, construir aqui uma plataforma onde nosso objetivo é ter 100% desmatamento ilegal zero. Ou seja, zero desmatamento ilegal”, afirmou.

De acordo com o governador, uma série de medidas já estão sendo adotadas para intensificar o monitoramento das áreas do estado e garantir que haja punição para os casos identificados.

Mauro citou o sistema Planet, desenvolvido na Secretaria de Meio Ambiente. Ele detecta, por exemplo, focos de incêndio e desmatamento em tempo real. A ferramenta também permite detectar a origem dos crimes e, assim, responsabilizar os autores.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS