“Ninguém quer botar um centavo naquele homem”, diz Selma Arruda sobre Taques

Candidata afirma que campanha de reeleição de Pedro Taques custaria R$ 15 milhões

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A candidata ao Senado pelo PSL Selma Arruda, em uma suposta conversa com o presidente do seu partido em Mato Grosso, deputado federal Victório Galli, diz que ninguém estava investindo na campanha de reeleição do governador Pedro Taques (PSDB).

Em um áudio a que o LIVRE teve acesso, supostamente entre Selma e Galli, a candidata afirma ao deputado que a campanha de Taques custaria R$ 15 milhões. “Você sabe quanto ele conseguiu de doação até o dia que eu saí de lá? R$ 600 mil. Ninguém quer botar um centavo naquele homem, ninguém quer botar um centavo lá, ninguém quer botar um centavo naquela campanha”.

De acordo com a postulante, dos R$ 15 milhões, R$ 7,5 milhões seriam custeados pelo governador e o restante dividido entre os candidatos da majoritária da coligação, que até então era composta por ela e pelo deputado federal e também candidato ao Senado Nilson Leitão (PSDB).

“Nas reuniões da majoritária eu estava tentando trazer dinheiro para todos os partidos e principalmente para o nosso presidente [Jair Bolsonaro]. Só que nas reuniões das majoritárias a ideia deles era fazer o seguinte, a majoritária assumir dívida”, explica a juíza aposentada ao presidente do PSL em Mato Grosso.

A candidata ainda revela que, ao questionar sobre como conseguiria o dinheiro, teria tido a seguinte resposta. “Vocês vão assinando nota, fazendo dívida, depois a gente arruma dinheiro e vocês cobrem a dívida”.

Selma ainda diz para Galli, que concorre à reeleição como deputado federal, que dessa forma não conseguiria arrumar dinheiro para a campanha de proporcional, deputado estadual e federal. “É assim que você queria que eu arrumasse dinheiro? É isso que eles estão prometendo para vocês e não vão cumprir nunca. Então você não sabe da metade da missa, da metade da briga”, afirma a postulante.

O presidente Estadual do PSL questiona a candidata. “Mas Selma, você sabendo disso, por que você tirou nós tudo para ir com o Pedro [Taques]?”, sic. A candidata dá uma risada e responde: “eu sabendo disso o quê? Só fiquei sabendo disso depois”.

Galli destaca que o PSL ao se coligar com o PSDB se sacrificou. “[Nelson] Barbudo e eu aqui, que dependemos do quociente, estamos com um risco danado”. A juíza aposentada revida. “Aí é um acordo da federal, que quem fez foi você, meu filho. Não bota a culpa em mim”.

O presidente do partido discorda da afirmação de Selma. “Não, mas porque nós tava (sic) com o Pedro. Se nós tivesse (sic) lá com o Mauro [Mendes] nós tava tranquilo. O Mauro era com você, isso que eu quero que você saiba”.

Em uma gravação em vídeo para o site Olhar Direto, o deputado federal Victório Galli diz que Selma Arruda levou mais divergências ao partido, do que “liga”. O parlamentar chama a candidata, inclusive, de individualista.

“No primeiro dia que nós declaramos nossa coligação com o Pedro Taques, ela foi em uma mídia e disse que votando nela, não interessava votar em outras pessoas. Nem no Pedro, nem no Leitão”.

Galli ainda destaca o fato de que Selma pediu voto para o Procurador Mauro, que concorre ao Senado pelo Psol. “Isso causa divergência para a gente. A gente tem que pedir voto para quem está na coligação”.

Pedido de voto para o Psol

Durante sabatina realizada em 23 de agosto deste ano pelo LIVRE, Selma admitiu ter uma linha parecida com o Procurador Mauro (Psol), que busca uma vaga como senador. Ela ainda acrescentou que por serem dois votos, o eleitor pode escolher ambos.

“Ele, de certa forma, tem uma linha parecida comigo, ele não coliga e eu também gostaria de não ter necessidade de coligar; ele prega uma política diferente. Então, como são dois votos para senador, eu acho que nós podemos somar. O eleitor pode dar o primeiro voto para o Procurador Mauro e o segundo para a Selma e não tem problema nenhum”, disse a magistrada aposentada.

Rompimento com PSDB

Oito dias após ter pedido voto para o candidato do Psol, Selma anunciou o rompimento com a aliança pela qual disputa a eleição, encabeçada pelo governador Pedro Taques.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdolescente foge de casa em SP e é encontrada “fumando maconha” na casa de namorado em Cuiabá
Próximo artigoEntrada de empresas no país cai pelo 7º ano consecutivo, diz IBGE

O LIVRE ADS