Neste sábado, roda de samba alegra cotidiano de moradores de rua do Centro Histórico

Artistas e entidades culturais se reúnem para realizar festa de inauguração da praça

Representantes de entidades culturais e de apoio à pessoa em situação de vulnerabilidade social, se encontram neste sábado, a partir das 18h, no Beco do Candeeiro, Centro Histórico da Capital. Capitaneados pelas equipes do Psicanálise na Rua e o grupo Ayoluwa, farão um samba para abençoar mais um ano de trabalho que têm pela frente. O evento ganhou o nome de “Samba da Bênção” e contará com a participação de artistas que farão uma grande roda de samba.

Uma das organizadoras, vinculada ao grupo Psicanálise de Rua, Gabriela Rangel Silgueiro destaca que o evento tem um caráter de confraternização para quem de fato circula e vive no entorno do beco localizado ao fundo da Igreja Senhor dos Passos.

“Será uma ocasião festiva direcionada para que quem de fato circula e vive no entorno do beco. Para que tenha oportunidade de se divertir como em uma festa de inauguração, e celebrar a cara nova da praça. O evento é para que eles tenham bons momentos em meio ao cotidiano permeado pelas adversidades”.

Além disso, a movimentação realça o patrimônio histórico. “E mais ainda, volta as atenções à essa população que quase nunca é ouvida, especialmente pelo estigma”.

Os voluntários, como ela conta, ocupam semanalmente o espaço, às terças-feiras, levando atrações artísticas e especialmente, uma palavra amiga, um abraço afetuoso. O espaço que traz em sua história um triste episódio, como foi o da chacina do Candeeiro, simbolizada na escultura de Jonas Corrêa.

Gabriela ressalta: “Esta é uma festa democrática, para todo mundo que quiser se integrar a este momento marcado pela solidariedade”. Outras entidades somam forças, como a Fundação Teresa de Benguela, Instituto Maria Mendes do Congo, Grupo Beco do Pagode, Imamenco e Grupo Aldeia de Bambas de Capoeira com Mestre Rayovac. Conta ainda com apoio do PPGAS/UFMT, Secretaria Municipal de Cultura, Iphan-MT e Pastoral de rua.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFoi mesmo um terremoto de 3.2 em Santa Catarina?
Próximo artigoEstudante da UFMT é premiada em festival de cinema nacional