Nem decisão do STF levou União a agilizar pedido de empréstimo para MT

Reunião de Mauro Mendes com a Secretaria do Tesouro teve objetivo de sanar dúvidas quanto a questão fiscal de Mato Grosso

Assessoria

O governador Mauro Mendes (DEM) reuniu nessa terça-feira (13) com o secretário do Tesouro Nacional do Brasil, Mansueto Almeida, para tratar da liberação do empréstimo com o Banco Mundial.

O governo depende do aval da União, que será a avalista do empréstimo. Num primeiro momento a União negou ser a avalista, mas duas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) determinaram que o governo federal seja avalista.

O Estado tenta liberação de U$ 331 milhões, U$ 250 milhões serão usados para pagar à dívida dolarizada e o restante investidos em projetos ambientais.

O governo corre contra o tempo porque precisa que a liberação do dinheiro aconteça nos próximos dias, já que uma nova parcela da dívida de mais R$ 140 milhões [com o Bank of America] vence em 10 de setembro.

Para pegar o dinheiro com o Banco Mundial para pagar o Bank of America, o governo precisa que a STN envie um pedido de liberação ao Senado Federal para que a União seja a garantidora. No Senado, o projeto precisa tramitar pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e pelo plenário da Casa. No entanto, a União ainda não mandou o pedido.

Mauro Mendes foi à reunião mostrar para o secretário as medidas de ajuste fiscal já tomadas por seu governo para se enquadrar à “PEC do Teto” [que permitiu a reestruturação e ajuste pactuado em 2017] e à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

“Essa foi uma agenda importante para Mato Grosso, mais um capítulo para nós conseguirmos efetivar a nossa repactuação de dívida do Bank of América com o Banco Mundial. Agradeço muito aos técnicos do tesouro que estão tendo uma atitude muito diligente com o Estado de Mato Grosso atendendo aqui a nossa bancada federal e o senador Wellington Fagundes. Ainda temos outras etapas para serem vencidas”, destacou o governador.

O secretário Mansueto destacou que Mauro pegou um Estado com “nota C” na questão fiscal e conseguiu aprovar medidas na Assembleia Legislativa que vão permitir o equilíbrio das contas.

O líder da bancada de MT no Congresso, deputado Neri Geller (Progressistas) e o senador Wellington Fagundes (PL) articularam a reunião com o secretário. Wellington destacou que os três senadores do estado devem articular por uma rápida aprovação no Senado.

O empréstimo atual pesa ao governo porque é pago em parcelas semestrais e termina em 2022. O novo empréstimo prevê pagamento mensal e alongamento da dívida por 20 anos.

(com Assessoria)

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno reduz exigências para tentar atrair investidores para rodovias de Tangará
Próximo artigoFesta das Nações | Cuiabá recebe evento gastronômico internacional

O LIVRE ADS