Natural do Cerrado: conheça uma castanha “nova” que pode ser usada em receitas

Com um dia nacional comemorado em setembro, Cerrado tem muito mais a oferecer do que só o pequi

(Foto: Reprodução)

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul se estende por pouco mais de dois milhões de quilômetros quadrados. Ao todo, equivale a aproximadamente a 22% do território nacional.

E ocupando tanto espaço, é natural que tenha produzido muitos mais ingredientes para a culinária brasileira do que só o – mais que conhecido dos mato-grossenses – pequi.

Chef de cozinha e proprietária do Brasis Ateliê Gastronômico, Di Oliveira utiliza muitos dos  elementos do Cerrado em seus pratos. Entre eles: o cajuzinho do cerrado, a castanha de baru, o murici e o pequi.

Para ela, os ingredientes da região ainda não são populares em outras partes do país, por isso, ainda pouco explorados.

“Além do pequi, acho que o brasileiro não usa [outros ingredientes] porque não tem conhecimento. Precisamos divulgar mais os frutos do Cerrado e suas propriedades e sabores! Sinto que as pessoas estão em busca dessas experiências”, diz.

Chef Di Oliveira (Foto: Reprodução)

Uma das receitas criadas por Di Oliveira é o molho pesto de baru com majerona e azeite, que pode ser degustado com pasta, pães e risoto.

A castanha nativa do Cerrado tem propriedades antioxidantes, é rica em vitamina E, zinco, ferro, potássio, cálcio, fósforo, magnésio e ácidos graxos.

Estudos mostram que o baru também ajuda a diminuir os riscos de Alzheimer, diabetes, obesidade e câncer.

Acompanhe a receita

  • 200g de Baru torrado e sem casca
  • 200g de queijo parmesão
  • 100g de folhas de manjerona
  • 500ml azeite
  • sal a gosto
  • Pimenta a gosto.
  • Bata tudo no liquidificador

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMateriais básicos para construção
Próximo artigoCom número reduzido de alunos, academias só devem ter fôlego em 2021