“Não vamos colocar a faca no pescoço do governador”, diz presidente da AMM

Neurilan Fraga disse que prefeitos entendem dificuldades econômicas, mas não vão abrir mão de seus direitos

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

“Não tem nenhum prefeito aqui que vai querer colocar a faca no pescoço do governador Mauro Mendes (DEM), só queremos que o governo cumpra seu papel”. A declaração foi dada pelo presidente Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga (PSD), na abertura do evento Cidades de Mato Grosso – Fórum de Governo e Prefeituras.

Segundo Neurilan, embora os prefeitos entendam as dificuldades econômicas do Estado, não irão abrir mão daquilo que lhes é de direito. “Queremos que o governo cumpra aquilo que foi assumido, os repasses para os municípios, os convênios, as parcerias. Queremos que faça sua parte”.

O presidente ressaltou ainda que os prefeitos de Mato Grosso estão cansados de promessas que não são cumpridas pelo Executivo Estadual e que esperam ações que também levem em consideração as dificuldades enfrentadas pelos municípios.

“Estamos apostando que vamos estabelecer uma parceria para que as prefeituras e o governo façam um bom mandato. O governo está fragilizado financeiramente, mas há uma determinação e um compromisso de fazer uma gestão que seja eficiente e é isso que queremos que aconteça”, pontuou.

Na oportunidade, o presidente também clamou pela união da bancada federal de Mato Grosso, do governo do Estado, da Assembleia Legislativa e dos municípios, a fim de pressionar o Congresso Nacional pela alteração do pacto federativo. O objetivo é de que sejam destinados mais recursos aos Estados e municípios, uma vez que hoje a maior fatia do bolo tributário fica com a União.

Hoje, após realizar os repasses para os fundos constitucionais e programas sociais, a União retém cerca de 60% de tudo que é arrecadado no país, enquanto os estados e Distrito Federal ficam com cerca de 25% e os municípios com menos de 16%.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS