Não é interesse do Brasil denunciar a Convenção 169 da OIT

Valerio de Oliveira Mazzuoli

Professor-associado da Faculdade de Direito da UFMT. Doutor summa cum laude em Direito Internacional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Professor dos Programas de Mestrado e Doutorado da Universidade de Itaúna – UIT. Membro-consultor da Comissão Especial de Direito Internacional do Conselho Federal da OAB.

O Projeto de Decreto Legislativo nº 177/2021, de autoria do Deputado Federal Alceu Moreira (MDB/RS), pretende autorizar o Presidente da República a denunciar a importante Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho, que é um texto fundamental sobre direitos dos povos indígenas e tribais em nível global, do qual o Brasil é parte desde 25 de julho de 2002.

A Convenção nº 169 se aplica a povos considerados indígenas em países independentes, cujos habitantes descendem de povos que habitavam o país ou uma região geográfica pertencente ao país na época da conquista ou da colonização ou do estabelecimento das atuais fronteiras estatais e que, seja qual for a sua situação jurídica, conservam todas as suas próprias instituições sociais, econômicas, culturais e políticas, ou parte delas. O tratado também determina que a consciência da identidade indígena ou tribal deva ser considerada como critério fundamental para determinar os grupos aos que se aplicam as disposições da Convenção.

A justificativa do Projeto de Decreto Legislativo nº 177/2021 é, primeiro, a de que “o documento jurídico internacional em questão não supera a nossa Constituição, tornando-o supérfluo” (o que não é verdade). Depois, a justificativa entende que “a restrição de acesso do Poder Público e dos particulares nas terras indígenas sem o consentimento desses indivíduos, assim como o fato de se necessitar de prévia autorização para qualquer ação governamental na Terra Indígena, acaba por inviabilizar o projeto de crescimento do Brasil”. O texto conclui dizendo que “diante dos inconvenientes causados pela Convenção 169 da OIT e da já protetiva legislação brasileira sobre os direitos indígenas, notadamente o art. 231 da Constituição da República e a Lei 6.001/73 (Estatuto do Índio), verifica-se a desnecessidade da mencionada Convenção no ordenamento jurídico brasileiro dada a suficiência da legislação nacional”.

Como se pode notar com total clareza, é inaceitável a justificativa do referido Projeto de Decreto Legislativo pelo qual se pretende autorizar o Chefe do Executivo a desengajar o Brasil desse importante tratado internacional de proteção dos direitos dos povos indígenas e tribais, sob a justificativa de que o investimento em infraestrutura e a atração de investimentos se sobrepõem às garantias internacionais previstas na Convenção nº 169 da OIT. A justificativa do Projeto, como se vê, pretende criar a atmosfera ilusória de que as garantias previstas na Convenção são supérfluas à luz da Constituição de 1988. Fossem verdadeiramente supérfluas tais garantias, não se pretenderia denunciar a Convenção como está pretendendo agora um integrante do Parlamento brasileiro.

Tais justificativas, portanto, não fazem transparecer os verdadeiros interesses do Brasil quanto à proteção e garantia de direitos dos povos indígenas, senão apenas interesses políticos escusos por detrás da ideia de “desenvolvimento”. O Brasil, verdadeiramente, tem na proteção dos direitos humanos e dos povos indígenas um potencial ético e transformador, razão pela qual não é intenção do nosso país a denúncia da Convenção nº 169 da OIT. A pretensão de denúncia é, sim, do nosso sistema político, que não reconhece direitos internacionalmente assegurados e pretende, de todas as formas, reduzir direitos historicamente conquistados.

Ainda que a Convenção preveja a renovação de dez em dez anos para a sua denúncia (art. 39) e que a data de 5 de setembro de 2022 seria a mais próxima para levá-la a cabo, certo é que não é interesse do Brasil e sequer da sociedade internacional a subtração de mais direitos aos povos indígenas em nosso país. Os povos indígenas brasileiros, depois de muitas lutas e frustrações, finalmente foram contemplados com a possibilidade (garantia internacional) de conservarem suas próprias instituições sociais, econômicas, culturais e políticas e de terem respeitados o seu estilo de vida tradicional e organização, diferentemente do restante da população do país.

A gana pelo “desenvolvimento” em prejuízo de direitos longamente conquistados não poderá se sobrepor às garantias que o direito internacional dos direitos humanos fez implementar nos Estados-partes da Convenção nº169 da OIT, sob pena de um retrocesso inaceitável às categorias de pessoas protegidas por essa convenção internacional.

É, em suma, princípio geral de Direito aquele segundo o qual é vedado retroceder em matéria de direitos humanos. Que este retrocesso não se implemente em nosso país!

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVocê sabe cuidar?
Próximo artigoConcessionária amplia capacidade de distribuição de água do Sistema Central