Nadaf, Sérgio Ricardo e outros quatro são denunciados por suposto esquema de R$ 37 milhões

Grupo concedeu benefícios para empresa que pagou R$ 2,5 milhões para Silval quitar dívida de "mensalinho"

Conselheiro afastado, Sérgio Ricardo é denunciado por esquema (Foto: Divulgação/TCE)

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) ofereceu nova denúncia contra o conselheiro afastado do Tribunal de Contas, Sérgio Ricardo e o ex-secretário de Estado, Pedro Nadaf. Eles são acusados de causar um prejuízo de R$ 37 milhões para o Estado.

O caso envolve a concessão de um benefício fiscal ao frigorífico Superfrigo, do empresário Ciro Zanchet Miotto. Também foram denunciados o empresário Ricardo Padilha Neves e sua empresa, Aval Securitizadora.

Na ação, protocolada na segunda-feira (25), o promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva pediu o bloqueio de R$ 85 milhões em bens dos envolvidos. Ele quer garantir que, em caso de condenação, haja meios para o ressarcimento.

Crimes contra a administração

Ao todo, os seis réus – sendo duas empresas – são acusados de enriquecimento ilícito, dano ao erário e violação dos princípios administrativos.

Conforme o promotor de Justiça, o caso começou porque Silval Barbosa, quando governador de Mato Grosso, pediu que Pedro Nadaf encontrasse uma empresa interessada em incentivos fiscais, mas que aceitasse pagar, como propina, R$ 2,5 milhões.

A empresa apontada foi a de Ciro Miotto, Superfrigo. Segundo o MPE, ela pagou R$ 2,750 milhões para o grupo de Silval. O dinheiro foi usado para quitar uma dívida com Ricardo Neves, contraída por Sérgio Ricardo.

A denúncia lembra fatos que já foram narrados na delação de Silval, firmada com o Ministério Público Federal. Os valores seriam usados para pagar um 13º mensalinho para 17 deputados da Assembleia Legislativa. Os parlamentares, em troca, aprovavam projetos de interesse do governo e as contas anuais da gestão.

“Este empréstimo é o que motivou Pedro Jamil Nadaf a procurar um empresário para quitá-lo, em troca da concessão de benefício fiscal manchado com a nódoa da nulidade, por ser originado do pagamento de propina)”, escreveu o promotor.

Segundo o MPE, a concessão do benefício para a Superfrigo causou um prejuízo de R$ 37.769.898,75 milhões aos cofres públicos.

“No caso em tela, é evidente a repercussão social das condutas praticadas pelos Réus, porquanto os atos de corrupção praticados pelos agentes políticos, servidores públicos e empresários citados nesta inicial, causaram repugnância ao ordeiro e trabalhador povo mato-grossense, que clama por justiça e por repressão adequada às ilegalidades perpetradas, às escancaras e sem qualquer pudor, pelos Réus que aderiram a vontade um do outro”, destacou o promotor na ação.

Ele pediu, por fim, além da indisponibilidade dos bens, a condenação dos envolvidos por improbidade e o ressarcimento dos valores desviados.

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMark Ruffalo quer ver o Hulk enfrentando Wolverine nos cinemas
Próximo artigoJustiça bloqueia R$ 182,8 mil de servidora por desvio de dinheiro do TJ