Na “zona vermelha”, Cáceres decreta bloqueio total por uma semana

Medida vale até a próxima segunda-feira, mas pode ser prorrogada. Quem for pego na rua tem que provar precisar de um serviço essencial

(Foto: Reprodução)

Na lista das 13 cidades mato-grossenses que receberam o alerta vermelho do governo para a proliferação do novo coronavírus, Cáceres, localizada a 217 quilômetros de Cuiabá, decretou bloqueio total (lockdown) de suas atividades econômicas, ruas e avenidas.

A decisão consta no Diário Oficial dos Municípios que circulou nesta segunda-feira (22). De acordo com o texto, a medida vale até o início da próxima semana, mas pode ser prorrogada.

Em entrevista ao LIVRE na última sexta-feira (19), o secretário municipal de Saúde, Jorge Augusto, já havia antecipado que o decreto estava pronto, dependendo somente de uma viodeconferência com os prefeitos de outras 22 cidades vizinhas.

A ideia era que eles adotassem medidas de isolamento social semelhantes as que já eram aplicadas em Cáceres: um toque de recolher válido durante todo o final de semana, começando 22h da sexta-feira e se estendendo até às 5h da segunda-feira seguinte.

A razão para isso é o fato de o Hospital Regional situado em Cáceres atender a pacientes desses municípios. Também o alerta vermelho que o município havia recebido dois dias antes – na última quarta-feira (17) – emitido pelo governo do Estado.

Eu cheguei a mandar o decreto para que os outros prefeitos copiassem, mas eles não tomaram a iniciativa. E como os casos aumentaram muito aqui, eu fui obrigado a decretar o lockdown“, disse o prefeito Francis Maris.

Conforme a edição desta segunda-feira (22) do boletim informativo de novos casos da covid-19, Cáceres já registrou um total de 140 pacientes com o novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Desse total, 87 estão em monitoramento, 46 já se curaram e 7 morreram.

Embora os números pareçam baixos, o problema da cidade está na quantidade de leitos em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponíveis para pacientes da pandemia. São apenas 5 no Hospital São Luiz, segundo dados do governo do Estado, e todos estão ocupados.

O hospital não está aqui para atender somente os pacientes de Cáceres, mas os de toda região. São 23 municípios e todos vêm para cá, inclusive os bolivianos“, destaca o prefeito.

Prefeito Francis Maris diz que se viu sem opção, diante do número crescente de casos e da falta de leitos (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O bloqueio

Conforme o decreto assinado por Francis Maris, está proibido o funcionamento de “toda e qualquer atividade comercial e prestação de serviços” na cidade.

A medida também barra a “locomoção de qualquer cidadão no território” da cidade e “toda e qualquer reunião, pública ou privada, inclusive de pessoas da mesma família” que não não morem em uma mesma casa.

O prefeito ainda autorizou o “o bloqueio e interdição de vias”, assim como determinou a realização de blitzes fiscalizatórias em todos os pontos da cidade.

Quem for pego na rua tem que comprovar que buscava um serviço essencial a sobrevivência. E ainda neste caso, é necessário que a pessoa o faça sozinha, sem acompanhantes.

Na lista das poucas atividades que podem continuar sendo exercidas estão:

  • Serviços de saúde em geral – incluindo odontológico e veterinário, mas desde que em regime de urgência;
  • Funerárias;
  • Segurança pública e privada;
  • Serviços de assistência social;
  • Postos de combustíveis, mas exclusivamente para abastecimento;
  • Circulação de cargas, desde que comprovada a necessidade para evitar um desabastecimento da cidade;
  • Táxis e serviços de transporte via aplicativo;
  • Distribuidoras de água e gás;
  • Supermercados, açougues, peixarias e estabelecimentos que comercializem produtos de hortifrúti.

Advogados também estão autorizados a circular pela cidades, desde que comprovem que isso é necessário para o exercício da profissão.

Penalidades

Francis Maris se embasou na Lei Federal 6.437/77 para estabelecer quais penalidades serão aplicadas a quem desrespeitar a ordem de bloqueio total da cidade.

O texto federal prevê a possibilidade de fechamento de estabelecimentos – inclusive o cancelamento de alvarás – e apreensão de produtos. Mas também o pagamento de multas.

Para as infrações leves, o valor pode variar de R$ 2 mil a R$ 75 mil. As graves podem chegar a R$ 200 mil e as gravíssimas a R$ 1,5 milhão.

Para estabelecer esse nível de gravidade, ainda de acordo com a lei federal, a autoridade sanitária deve levar em conta as conseqüências da atitude do infrator para a saúde pública, assim como se ele já não desobedeceu uma ordem antes.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmanuel cancela pronunciamento
Próximo artigoSecretário de Educação de Cuiabá é afastado do cargo acusado de desvio e lavagem de dinheiro público

O LIVRE ADS