Na terra dos bovinos, proteínas alternativas começam a ser realidade

Produção de hambúrguer vegetal já é uma realidade em Mato Grosso, que tem o maior rebanho bovino do país: mais de 30 milhões de cabeças de gado

(Foto: Kevin Petit / Pixabay )

Já pensou em ir à uma churrascaria e, ao invés de carne bovina, ser servido com um rodízio de carnes feitas com vegetais ou fabricadas em laboratório? Essa é uma realidade que está cada vez mais próxima dos consumidores e, em Mato Grosso, já é objeto de estudo.

O Estado já conta com produção de hambúrguer vegetal que, neste mês, teve a primeira exportação para a Europa. A produção é feita pela planta da Marfrig, em Várzea Grande (região metropolitana).

De acordo com a coordenadora do curso superior de Tecnologia em Alimentos da Fatec/ Senai- MT, Marcia Scabora, a produção de proteína com base vegetal – que é chamada de plant based – ou as carnes artificiais feitas em laboratório atendem a um expectativa de mercado que vem crescendo no mundo todo.

“De acordo com a FAO/ONU, até 2050, o mundo terá cerca de 10 bilhões de habitantes e a produção de proteína será um desafio até lá. Dentro deste desafio, o Brasil está entre os maiores produtores de carne e grãos do mundo”, explica Marcia.

Proteínas alternativas

Marcia Scabora explica que existem inúmeras formas de carne vegetal em desenvolvimento e cita como exemplo produtos a base de: soja, grão de bico e ervilha.

Já a carne de laboratório é uma imitação da carne animal, só que produzida de forma controlada e artificial.

Imagem ilustrativa (Foto: Antonio Cansino / Pixabay )

Outro tipo de proteína alternativa é a que tem como base os insetos, que segundo Marcia, possuem teor de gordura, fibras e minerais.

A coordenadora enfatiza que é preciso desenvolver essa variedade de produtos com base em valores como sustentabilidade e que agregam valor alimentar. Para garantir isso, a Fatec Senai tem desenvolvido cursos MBA em alimentos – que traz em sua grade de estudos as proteínas alternativas.

LEIA TAMBÉM

Outro aspecto que este tipo de produção engloba é o fato de que o mercado vegetariano e vegano é cada vez mais crescente, além da expansão da chamada cultura “fitness”, que busca produtos saudáveis e ecologicamente corretos.

Debate político

Se as proteínas alternativas são promissoras para a economia, no ambiente político, causam estranheza – principalmente para o deputado federal Nelson Barbudo (PSL), que é pecuarista.

Em maio de 2019, ele apresentou o projeto de lei nº 2.876, que tentar proibir o uso da palavra “carne” assim como seus sinônimos e derivados como “bife”, “hambúrguer”, “filé” e “bacon” para produtos produzidos de forma artificial ou a base de vegetais.

Imagem ilustrativa (Foto: Pixabay )

“O grande mérito nutricional da carne é a quantidade e a qualidade dos aminoácidos constituintes dos músculos, dos ácidos graxos essenciais e das vitaminas do complexo B presentes, tendo também importância o teor de ferro”, diz o deputado na justificativa do projeto.

Para o parlamentar, a palavra “carne” está sendo utilizada de forma equivocada quando se refere às proteínas alternativas e seu projeto teria como objetivo “evitar essa grande confusão que permeia o mercado”.

Segundo ele, além de criar uma concorrência entre os produtos de origem vegetal com os de origem animal, o consumidor é induzido ao erro, por estar “ingerindo extratos, polpas de frutas e etc., que não possuem o mesmo caráter nutricional”.

E o preço compensa?

Marcia Scabora explica que o preço da proteína alternativa ainda não é o grande diferencial do produto. Como a produção ainda é basicamente industrial, o custo é elevado.

Apesar de alguns produtos a partir da carne também serem produzidos de forma industrial – como é o caso do hambúrguer – a diferença é a larga escala com a qual produtos à base de carne animal são produzidos, o que resulta em preço bem mais acessível.

Para se ter ideia dos preços, 1 kg de hambúrguer de soja custa em média R$ 41, enquanto que a mesma quantidade de hambúrguer bovino custa R$ 15.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSaiba como fazer seu kit academia para treinar em casa
Próximo artigoSaiba como alavancar seu negócio com a ajuda do marketing digital