Na Câmara pode

(Foto: Assessoria)

Não é exatamente a mesma coisa, mas é parecido. Vereadores, assim como pessoas transexuais, têm nomes sociais. Os parlamentares os usam, em geral, para criar uma identidade com a população que representam. As pessoas trans, para serem respeitadas pela sociedade na qual estão inseridas.

Na Câmara de Cuiabá – que nesta semana quase derrubou um decreto do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) que garante às pessoas trans o direto do qual os vereadores já desfrutam -, 13 dos 25 parlamentares não são conhecidos pelos nomes que constam em seus documentos de identificação.

1- Lilo Pinheiro é Emanuel Mussa Amui Pinheiro

2 – Wilson Kero Kero é Wilson Nonato Silva 

3 – Doutor Xavier é Edemir Claudio Xavier

4 – Felipe Wellaton é Felipe Tadahashi Alves

5 – Adilson Levante é Adilson Americo Machado de Oliveira 

6 – Abilinho, também conhecido como Abílio Junior é Abílio Jacques Brunini Moumer

7 – Chico 2000 é Francisco Carlos Amorim Silveira 

8 – Sargento Joelson é Joelson Fernandes do Amaral 

9 – Orivaldo da Farmácia é Orivaldo Julio Alves

10 – Juca do Guaraná Filho é Lídio Barbosa

11 – Clebinho Borges é Clebio Rosa Borges

12 – Toninho de Souza é Antonio Ferreira de Souza

13 – Vinicyus Clovito é Vinicyus Ferreira Hugueney

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPalácio mais acessível
Próximo artigoEm Festival especializado, congresso técnico reúne amantes da cerveja artesanal

O LIVRE ADS