Na Câmara pode

(Foto: Assessoria)

Não é exatamente a mesma coisa, mas é parecido. Vereadores, assim como pessoas transexuais, têm nomes sociais. Os parlamentares os usam, em geral, para criar uma identidade com a população que representam. As pessoas trans, para serem respeitadas pela sociedade na qual estão inseridas.

Na Câmara de Cuiabá – que nesta semana quase derrubou um decreto do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) que garante às pessoas trans o direto do qual os vereadores já desfrutam -, 13 dos 25 parlamentares não são conhecidos pelos nomes que constam em seus documentos de identificação.

1- Lilo Pinheiro é Emanuel Mussa Amui Pinheiro

2 – Wilson Kero Kero é Wilson Nonato Silva 

3 – Doutor Xavier é Edemir Claudio Xavier

4 – Felipe Wellaton é Felipe Tadahashi Alves

5 – Adilson Levante é Adilson Americo Machado de Oliveira 

6 – Abilinho, também conhecido como Abílio Junior é Abílio Jacques Brunini Moumer

7 – Chico 2000 é Francisco Carlos Amorim Silveira 

8 – Sargento Joelson é Joelson Fernandes do Amaral 

9 – Orivaldo da Farmácia é Orivaldo Julio Alves

10 – Juca do Guaraná Filho é Lídio Barbosa

11 – Clebinho Borges é Clebio Rosa Borges

12 – Toninho de Souza é Antonio Ferreira de Souza

13 – Vinicyus Clovito é Vinicyus Ferreira Hugueney

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS