Município autoriza R$ 3,6 milhões para Santa Casa; prioridade deve ser pagar médicos

A paralisação de 50% da equipe de profissionais continuará até que o pagamento seja garantido

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um recurso no valor de R$ 3,6 milhões oriundos da Fonte 100, referente a tributos e impostos municipais, deverá ser repassado para a Santa Casa no dia 11 de março. O dinheiro poderá ser utilizado para pagar pelo menos uma das 5 folhas de pagamento; prioridade deve ser a categoria dos médicos, que estão em greve após 10 meses de salários atrasados.

A paralisação de 50% da equipe de profissionais continuará até que o pagamento seja garantido. Conforme André Luiz Devaux de Lara, um dos representantes dos trabalhadores, vereadores e secretário municipal de Saúde devem ir ao hospital na quinta-feira (7) para negociar como o será feito o pagamento.

O acordo de liberação dos R$ 3,6 milhões foi firmado em mais uma reunião nesta manhã (1º) entre comissão de vereadores, nova direção do filantrópico e prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro. “Estou autorizando a liberação amarrada a um cronograma de compromissos em documento que deve ser tornar público”, afirmou Pinheiro.

A expectativa é que o recurso quite pelo menos uma folha de pagamento dentre as cinco folhas em atraso, sendo uma delas referente ao 13º salário. “É para pagar os profissionais, esse é o primeiro compromisso. O segundo é uma meta de atendimentos”, complementou o prefeito.

Segundo o prefeito, esse recurso será repassado integralmente e afetará apenas investimentos que “podem esperar”. “Não tem outra alternativa, porque a saúde não tem esse dinheiro disponível. Estamos com HMC em implantação. Vou cortar alguns compromissos que não têm a prioridade que a saúde tem”, disse.

O novo presidente da Santa Casa, Carlos Coutinho, por sua vez, sugeriu que a prioridade será o pagamento dos salários dos médicos, categoria que enfrenta o maior atraso. “Nós temos que pagar os médicos. Estamos desenvolvendo uma nova engenharia para os pagamentos e temos condições de pegar dinheiro novo. O que a gente conseguir, somos obrigados a pagar o que estamos devendo, até mesmo para a sobrevivência desses profissionais”, disse.

Dívida de R$ 24 milhões

A Santa Casa é um dos hospitais investigados pela CPI dos Filantrópicos, que retornou às atividades nesta semana, quando ouviu o secretário municipal de Saúde, Luiz Antônio Possas de Carvalho, que acusou a Santa Casa de dever mais de R$ 24 milhões ao município, grande parte deste montante por procedimentos não realizados.

O prefeito Emanuel Pinheiro afirmou que a dívida irá aumentar, mas deve ser equacionada. “Aumentar [a dívida] vai. Mas nós estamos buscando um bem maior, que é o fortalecimento da saúde pública na capital e Estado. Estou vendo isso como um investimento, porque o prejuízo seria muito maior com o colapso total da Santa Casa”.

O presidente da Santa Casa Carlos Coutinho disse que vai realizar uma auditoria do hospital. “A Santa Casa tem vários problemas, mas nós vamos trabalhar fundo para cortar até o osso. Nós estamos igual Daniel na cova dos leões, mas sou um servo de Deus que os leões não gostam de comer”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno anuncia primeira parcela dos salários de fevereiro para 11 de março
Próximo artigoGovernos de MT e RO elaboram ações conjuntas para retirar vacina contra aftosa