Mulheres representam 57,9% do total de alunos no ensino superior

A maioria (60%) dos alunos que concluíram o ensino superior no Brasil, em 2020, também é composta por mulheres

(Foto: Reprodução)

Em 2020, o Brasil contabilizou mais de 5 milhões de mulheres matriculadas no ensino superior. Isso representa 57,9% do total de alunos. Um crescimento de 1,4% na última década, sendo a rede privada a maior responsável por esse aumento. Além disso, a maioria dos alunos que concluíram o ensino superior no Brasil, em 2020, é composta por mulheres (60%).

Os dados são de um levantamento divulgado nesta segunda-feira (7), véspera do Dia Internacional das Mulheres, pela Semesp, entidade que congrega um grupo expressivo de mantenedoras de ensino superior do Brasil.

“Estamos assistindo a mudanças importantes, que devem ser consideradas”, afirma a presidente do Semesp, Lúcia Teixeira. “O crescimento da participação das mulheres no ensino superior tem feito com que a ocupação feminina nos cargos de liderança tenha se tornado mais comum”.

Apesar de a maioria dos docentes que lecionam no ensino superior brasileiro serem homens, a participação das mulheres nesse mercado também vem aumentando, segundo o levantamento. Na última década, o percentual passou de 45% para 46,8%, ocasionado principalmente pela contratação de professoras na rede privada.

Já entre os funcionários técnico-administrativos, 55% são mulheres.

De forma geral, considerando docentes e funcionários-administrativos, em 10 anos, o percentual de mulheres atuantes no ensino superior ultrapassou o de homens, passando de 49,6% em 2010, para 50,7% em 2020.

“Em 2019, o percentual de alunas matriculadas no ensino superior do Brasil é maior que o de homens em todas as faixas etárias, exceto na de 65 anos ou mais, independente da modalidade de ensino escolhida”, destaca a presidente.

Ela lembra que as áreas com maior percentual de mulheres são Educação e Saúde e bem-estar, que registram 72,3% e 71,2% de alunas, respectivamente. Já cursos da área de Engenharia e Computação possuem maior percentual de homens.

“Para mim, parece um contrassenso que o primeiro algoritmo a ser processado por uma máquina tenha sido feito pela matemática e escritora inglesa Ada Lovelace, em 1843, ainda no século 19, embora ainda estejamos distantes de muitas mulheres ocuparem o espaço de destaque que merecem nessa área”, conclui Lúcia Teixeira.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO lado feminino que faz o saneamento cuiabano acontecer
Próximo artigoConflitos constitucionais