Mulher mata marido que a estava agredindo e havia ameaçado matá-la

Ele tentou pegar uma faca, mas ela pegou primeiro e enquanto ele a agredia, ela lhe deu uma facada

Ilustrativa/Reprodução Internet

Uma mulher de 28 anos, identificada como Claudia Jackeline Oliveira Borges, 28 anos, matou o marido, Cleydson Piedade da Rosa, de 30 anos, nessa sexta-feira (2), enquanto era agredida por ele dentro da casa do casal, no Bairro Jardim Primavera, em Sinop (500 km de Cuiabá).

Segundo relato da mulher, os dois vivem juntos há dois anos, mas o homem é agressivo e já a agrediu inúmeras vezes. Nessa sexta-feira (2), ele acordou mal-humorado e disse durante a manhã que iria arrancar a cabeça dela.

Ele saiu de casa por volta das 11h30 e voltou por volta das 16 horas, já alcoolizado e trazendo uma caixa de cerveja. Ao retornar, primeiro ele deu um tapa de forma agressiva nas nádegas da esposa e ficou indignado por ela ter tomado uma cerveja que estava na geladeira da casa.

Os dois começaram uma discussão e o homem pegou a caixa de cerveja de garrafas e arremessou contra o muro da casa. A mulher entrou na residência e foi para a cozinha.

O esposo a seguiu, muito alterado. No local havia uma faca em cima de um móvel. O homem empurrou a mulher e ela caiu no chão.

Ele se dirigiu em direção à faca como se fosse pegá-la, mas a mulher estava mais próxima e pegou primeiro. O homem então a agarrou pelos cabelos.

Para se soltar, ela deu uma facada nele, que acabou atingindo o pescoço dele, na região da jugular. A mulher tentou estancar o sangue com a mão e chamou o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar.

Quando os policiais chegaram, encontraram os bombeiros realizando os primeiros-socorros, mas logo a morte foi constatada.

A esposa foi detida e encaminhada para a Central de Flagrantes, onde o caso foi registrado como homicídio culposo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComo funcionam as duas potenciais vacinas brasileiras em análise na Anvisa?
Próximo artigoMães relatam avanços e desafios para crianças autistas na pandemia