Mulher é detida por criar macaco-prego como animal doméstico

Apesar de o macaco estar muito bem tratado e ficar livre dentro de casa, ela foi acusada de maus-tratos por manter o animal silvestre em uma residência

Imagem ilustrativa / Pixabay

Uma mulher de 49 anos, moradora de Rondonópolis (220 km de Cuiabá), foi encaminhada para a delegacia nessa quarta-feira (13) por estar criando um macaco-prego como se fosse um animal doméstico.

Policiais militares de proteção ambiental foram até a casa da mulher, acompanhados por um oficial de Justiça, para atender uma denúncia anônima de maus-tratos a animal silvestre e cumprir um mandado de apreensão do animal.

No local, foram recebidos pela acusada, que prontamente abriu o portão para que fosse cumprido o mandado.

O macaco foi encontrado em uma gaiola, mas a mulher disse que ele passava quase o tempo todo solto na casa e até mostrou vídeos em que ela e a filha brincam com o animal, passeiam com ele e o alimentam, mostrando uma relação bastante amigável com o bicho.

Questionada, ela contou que o capturou quando morava em um sítio na zona rural da cidade e aconteceu um incêndio no local.

O macaco era filhote, perdeu-se da mãe e foi atacado pelos cães da mulher. Ela conseguiu salvá-lo dos cães e começou a cuidar dele. Pouco tempo depois, mudou-se de casa e levou o macaco consigo.

“Ótima saúde”

Segundo os policiais que atenderam a ocorrência, o animal estava em ótima saúde física e tinha muita alimentação disponível.

Ainda assim, a mulher foi detida e encaminhada para a delegacia, acusada de maus-tratos, por “aprisionar em cativeiro, cercear a liberdade de espécie de animal silvestre sob sua responsabilidade, sem autorização dos órgãos competentes”.

O macaco, por enquanto, ficou sob a guarda da 2ª Cia. Ambiental. O caso foi registrado como “matar, perseguir, caçar, apanhar, ou utilizar espécimes da fauna silvestre”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDinheiro de sobra
Próximo artigoEmanuel diz que não participará de debates para não gerar “aglomerações”