Mudanças repentinas criam temor de “cartas marcadas” em concurso público da UFMT

Presidente da uma banca avaliadora demonstra receio de que o certame possa ter a lisura comprometida caso haja vazamento das questões

(Foto: UFMT/Divulgação)

Após mais de dois anos sem um certame, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) reabriu o edital 06/SGP/UFMT/2019 com objetivo de contratação de 116 professores efetivos. A instituição realizará o concurso em 2022.

Contudo, uma alteração no processo seletivo tem acendido um alerta quanto ao risco de fraudes no concurso. O receio é apontado pelo professor Alexandre Paulo Machado, docente da Faculdade de Medicina.

Presidente de uma banca avaliadora que participará da escolha dos novos colegas, Machado sinaliza que foi acionado por uma servidora da instituição solicitando a elaboração antecipada de uma pergunta, a qual seria feita aos candidatos na prova teórica. O professor se recusou, de imediato, ao atendimento da solicitação.

O docente explica que esse procedimento não ocorreu em outros certames realizados anteriormente. O que se pratica nas universidades brasileiras ocorre em duas fases, sendo uma eliminatória e outra classificatória. Na primeira fase tem-se as provas teórica e prática, com apresentação prévia de um conteúdo programático a ser estudado por todos os candidatos. No dia da prova, os temas são sorteados pelas bancas avaliadoras perante os avaliados.

Porém, agora, foi instituída uma mudança justamente nessa fase eliminatória, mais precisamente na prova teórica. Segundo Machado, essa é a etapa mais importante do concurso, pois a maioria dos candidatos é eliminada nesta, restando somente cinco para prova prática, conforme prevê o próprio edital da UFMT.

“Muito embora todos os temas das provas teórica e prática sejam repassados previamente aos candidatos, pasmem, perguntas específicas das temáticas da prova teórica já estarão prontas e foram produzidas por membros das bancas avaliadoras”, diz o docente. “Então, quem tiver acesso prévio a essas questões certamente será beneficiado e sairá na frente em relação aos demais candidatos, o que não ocorre quando é feito o sorteio de pontos no dia da prova”, complementa Machado.

O professor indica ainda outros riscos nessa nova abordagem adotada pela UFMT, pois membros das bancas podem criar questões que favoreçam os seus preteridos, por exemplo, relacionadas a temas de teses defendidas pelos orientandos ou de áreas de domínio ou naquelas que se destaca, até mesmo por outras proximidades e afinidades, tais como: político-ideológicas.

“Antes de saber dessa ‘inovação’, nos foi solicitado 10 temas para prova teórica e seis para prática. Então fiquei surpreso com o requerimento para produzir questões específicas dos temas e que não seria mais o método consagrado em todas as Instituições Federais Educacionais (IFE), ou seja, o ‘sorteio dos pontos’. Quem for favorecido na prova teórica terá ainda melhores chances na prova prática pela redução dos temas de estudo. Assim, candidatos privilegiados saem na frente em pontos e nos estudos da próxima fase”, reforça o docente.

“Essas ‘inovações’ estão sendo implementadas na UFMT pela Administração Superior sem uma discussão mais ampla com a comunidade acadêmica e em época de recesso e férias dos servidores”, critica.

Conforme apurado pelo LIVRE, os membros das bancas que aceitam o pedido recebem R$ 1 mil reais por pergunta e podem elaborar até duas questões.

Machado se mostra preocupado com essa nova metodologia e considera impossível controlar ou fiscalizar vazamentos e favorecimentos com o procedimento adotado nesse concurso. Na opinião do professor, esses riscos não deveriam ser desprezados, pois esse tipo de procedimento, além de ser um retrocesso diante da evolução na transparência e lisura dos concursos no Brasil, fragiliza o processo seletivo e sequer poderia haver qualquer possibilidade de drible no certame, mesmo que hipotética, pois acima disso estão todos aqueles que nutrem na educação não somente a oportunidade de trabalho, mas também a dignidade de construir um país melhor, inclusive mais decente, honesto e justo.

“Não era dessa forma antes e por que essa mudança agora?”, questiona. A situação foi denunciada ao Ministério Público Federal (MPF).

O que diz a UFMT?

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) enviou nota confirmando que as questões das provas teóricas são elaboradas com antecedência, por bancas sigilosas, que assinam termos de confidencialidade.

A instituição frisou que na segunda etapa do concurso, ou seja, na prova didática os temas são sorteados com alguns dias de antecedência para que o candidato se prepare para apresentar uma aula para a banca avaliadora. A Universidade garante que o sorteio é realizado para não haver o privilégio entre aqueles que disputam as vagas.

Confira a nota na íntegra:

A Universidade Federal de Mato Grosso esclarece que todas as questões das provas teóricas aplicadas em concursos, sejam estas dissertativas ou de múltipla escolha, são elaboradas com antecedência, por bancas sigilosas, que assinam um termo de confidencialidade e são orientadas sobre as consequências do vazamento de informações.

A instituição também ressalta que após a entrega dos arquivos com as questões elaboradas, os mesmas ficam em computadores sem conexão com a internet e cujo acesso é restrito apenas aos servidores responsáveis por montar e revisar a prova, além de outras medidas de segurança aplicadas ao processo como um todo.

O pagamento feito aos professores responsáveis por elaborar as questões de cada área do conhecimento é feito à título de compensação pelo trabalho realizado, uma vez que esta não é uma função da carreira dos servidores docentes.

Conforme explicito no item 12 do Edital, na segunda etapa do concurso, chamada de prova didática, os candidatos devem preparar e apresentar uma aula para a banca de avaliadores, seguindo um tema que é sorteado com alguns dias de antecedência da realização da prova. O sorteio é realizado para não privilegiar candidatos que já tenham experiência em determinada subárea e os dias de diferença entre sorteio e aplicação são para que estes tenham tempo de preparar a aula da melhor forma possível.

A contratação de novos professores para compor o quadro da UFMT é fundamental para que esta possa continuar contribuindo de maneira efetiva para o desenvolvimento do estado, exercendo suas atividades de ensino, pesquisa e extensão.

LEIA TAMBÉM

Aposentados não poderão participar de eleição em faculdade da UFMT

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. Não há qualquer “mudança repentina” no estilo da prova. Se vocês checarem o site dos concursos da UFMT vão ver que esse formato é utilizado há um tempo e nunca houve qualquer menção ou indício de fraude!
    Com um texto sensacionalista desses o que o site tá querendo é Ibope!

  2. Não precisa ser muito inteligente para saber que o critério de “sorteio de pontos” é o mais democrático e justo com os candidatos! O restante é comentário daqueles que se aproveitam das instituições públicas!!!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorInstituições federais não podem exigir vacina contra covid-19, diz MEC
Próximo artigoCongressistas de MT aprovaram principais medidas do governo em 2021