MT negocia R$ 200 milhões por redução na emissão de carbono

Dinheiro não tem data e forma de pagamento e é avaliado abaixo da emissão de carbono cortada pelo Estado

Mato Grosso negociou pré-acordos de cerca de US$ 30 milhões em compensação de redução na emissão de carbono. A quantia deve ser paga, a crédito perdido, pelo governo da Inglaterra e pelo banco alemão KFW. 

O valor, negociado durante reuniões na COP-26, em Glasgow, na Escócia, foi anunciado nesta quarta-feira (10) pelo governador Mauro Mendes. O valor é bem abaixo da quantia estimada para 1 bilhão de metros cúbicos de carbono a menos emitidos, com o recuso no desmatamento e queimada entre 2020 e 2019. 

“Esse valor não corresponde nem a 5% do valor que Mato Grosso deveria receber pela redução de carbono. Há muitos governos e empresários interessados na redução do carbono e acreditamos que, após a COP-26, o mercado de carbono vai alavancar”, disse a secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti. 

LEIA TAMBÉM

A quantia, cerca de R$ 200 milhões, é aplicada sem obrigação de pagamento nos Estados e países que conseguem reduzir a emissão de carbono. Esse foi um dos principais assuntos debatidos nos primeiros dias da COP-26. 

A secretária disse que, até 2022, Mato Grosso deve receber ao menos R$ 60 milhões por metas da agenda ambiental internacional já alcançadas. 

Uma estimativa do Instituto Centro Vida (ICV) diz que Mato Grosso precisaria de, pelo menos, R$ 40 bilhões para bater a meta de zerar a emissão de carbono até 2050. 

Conforme o governador, US$ 15 milhões do banco alemão já estão garantidos e outros US$ 15 milhões são aguardados da reunião com o governo britânico.

Pressão do mercado 

O mercado de compensação está no impasse de produtores que se mostram dispostos a reduzir a derrubada de mata e melhorar a infraestrutura de produção, atividades na parte de cima da lista dos maiores responsáveis pela emissão do gás poluente, e a falta de investidores. 

“É uma ação que precisa dos dois lados. O produtor vai precisar melhorar o capim que planta no pasto, a ração que dá para o gado, e os empresários vão ter compensar aquilo que foi deixado de ser desmatado. É um assunto urgente que precisa de mais atenção do mundo”, disse o governador Mauro Mendes. 

Segundo ele, as mudanças mais sólidas deverão ser implantadas pela pressão do consumidor, que tende, nos próximos anos, a cobrar mais a origem sustentável de produtos naturais.  

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaixa terá linha de financiamento para instalação de energia solar
Próximo artigoMP quer barrar lei que autoriza patrocínio de R$ 4,5 milhões a times de futebol