MPF e MPE acompanham caso de recém-nascida indígena enterrada viva

A criança foi resgatada por policiais militares e civis de Canarana, após receberem denúncia anônima

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT) e o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPE/MT) estão acompanhando, desde o início da manhã desta quarta-feira (6), o caso da recém-nascida indígena enterrada viva no município de Canarana (a 837 km de Cuiabá).

Trata-se de bebê indígena xinguano, ou seja, de uma etnia residente no Parque Nacional do Xingu. Uma das versões do fato decorre da cultura milenar de bater na cabeça e enterrar um dos gêmeos (o que traz o espírito do mal), e também os filhos “sem pai”, que seria este o caso da bebê indígena. Outra versão que chegou ao conhecimento do MPF é que a criança teria caído de cabeça no chão quando a mãe deu à luz no banheiro da casa, razão pela qual ela acreditaria que a criança já estaria morta ao ser enterrada.

O bebê foi encaminhado ao Hospital Municipal de Canarana, e de lá transferido para o Hospital Regional Paulo Alemão, em Água Boa (741 km de Cuiabá). O representante da Fundação Nacional do Índio (Funai) já está em Água Boa e o promotor de Justiça está a caminho.

O MPE atuará tanto por meio da Promotoria da Infância quanto da Promotoria Criminal no local, enquanto o MPF prestará todo o auxílio necessário, respeitando as peculiaridades culturais, o interesse da criança e a eficiência da investigação criminal.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorANS encontra “anormalidade financeira” em operadora de plano de saúde que atua em Cuiabá
Próximo artigoFávaro acusa adversários de plantar “fake news” para enfraquecer sua candidatura