MPF arquiva inquérito sobre lavagem de dinheiro contra Antônio Joaquim

Conselheiro diz que afastamento de cargo e saída de eleição em 2018, por causa da investigação, foram "abuso" e "conluio"

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Ministério Público Federal (MPF) arquivou inquérito que investiga o conselheiro de Contas, Antônio Joaquim, por suposta participação em esquema de lavagem de dinheiro. 

A ação de arquivamento foi assinada pela procuradora da República, Valéria Etgeton, no dia 28 de abril e ainda precisa ser chancelada pelo juiz 5ª Vara Federal de Cuiabá, Jeferson Schneider. 

A investigação foi aberta em 2017 com base em delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (sem partido). Segundo ele, Antônio Joaquim teria utilizado a venda de uma fazenda à empresa Trimec Construções e Terraplanagem, no valor de R$ 6,6 milhões, para supostamente esconder desvio de dinheiro público. 

A informação levou ao afastamento de Antônio Joaquim do cargo no Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE), em setembro do mesmo ano, e o cancelamento de sua pré-candidatura ao governo, para enfrentar o então candidato à reeleição, Pedro Taques (SD). 

Em fevereiro de 2021, a Justiça Federal autorizou o retorno do conselheiro ao tribunal, com a justificativa de que a investigação não avançou para incriminá-lo em quatro anos de apuração. 

“Conluio de Janot e Taques” 

O conselheiro Antônio Joaquim disse que seu afastamento do cargo ocorreu por “abuso de autoridade” do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Segundo ele, Janot teria criminalizado para ele um trâmite legal de compra e venda. 

“Como é que o Janot abusou da autoridade e criminalizou um negócio autêntico? As pessoas compram e vendem. Houve uma diferença entre a escritura [da terra] e contrato de compra, mas eu reconheci e estou acertando com a Receita Federal”, comentou. 

Antônio Joaquim concedeu em entrevista, mais cedo, para comentar a decisão do MPF. Após a crítica pontual ao ex-procurador-geral, ele estendeu os comentários ao ex-governador Pedro Taques e disse que, ambos, teriam agido em “conluio” para tira-lo do processo eleitoral de 2018. 

“Mudou minha vida e me impediram de ser candidato. Me transformaram em um bandido”, afirmou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorContran beneficiará motoristas que não cometerem infração por 12 meses
Próximo artigoPedal da Semob arrecada 700 quilos de alimentos para famílias carentes de Cuiabá