MPE pede que Éder Moraes e outros seis devolvam R$ 11,7 milhões

Na época, Éder era secretário de Fazenda e contou com ajuda de procuradores para inflar dívida de R$ 1 milhão para R$ 11 milhões

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O promotor de Justiça Célio Joubert Fúrio ofereceu denúncia contra os ex-secretários de Fazenda de Mato Grosso, Éder Moraes e Edmilson José dos Santos, por um esquema fraudulento de desvio de recursos públicos, confirmado pelo próprio Éder no âmbito da Operação Ararath. O documento é do dia 12 de junho.

Além dos ex-secretários, foram denunciados os procuradores do Estado Dorgival Carvalho e João Virgílio do Nascimento Sobrinho, o servidor público Ormindo Washington, a Cohabita Construções Ltda e seu representante, João Carlos Simoni.

A denúncia gira em torno de um esquema para pagamento de dívidas antigas, que já estariam inclusive prescritas. O grupo criminoso inflava os cálculos e ficava com parte do pagamento feito pelo governo.

Consta que o governo tinha contrato com a DM Construtora de Obras Ltda para a implantação da rodovia entre Tangará da Serra e Deciolândia, mas não fez o pagamento de duas medições, de 1994, cujos valores somavam R$ 1.139.907,13, dando-lhes um crédito.

Mesmo com o crédito tendo mais de oito anos, entre 2002 e 2003, a empresa solicitou o pagamento. O processo ficou parado até 2009, quando, “de forma extremamente célere”, a Secretaria de Infraestrutura refez o cálculo da dívida com a atualização monetária, apontando um valor de R$ 11.560.150,52. Nessa época a empresa já tinha repassado o crédito para a Cohabita Construções Ltda, que foi denunciada.

[featured_paragraph]O promotor destacou que “foi impressionante a rapidez” da tramitação, que levou apenas um dia para a atualização do valor.[/featured_paragraph]

O pagamento da quantia exorbitante chegou a ser barrada em duas ocasiões, uma pela procuradora Gláucia do Amaral, que destacou a prescrição do crédito e, posteriormente, pela Auditoria Geral do Estado.

Com determinação do procurador-geral da época, Dorgival Veras, o primeiro parecer foi desentranhado do processo, que recebeu nova análise do procurador João Virgílio. Este afastou a prescrição e determinou o pagamento. No mesmo dia, o processo foi enviado à Sefaz, comandada por Éder Moraes. Mesmo enfrentando questionamentos, o crédito foi liberado.

O promotor destacou que, apesar de o crime de improbidade ter prescrito, em razão do lapso temporal, ainda cabe pedido de ressarcimento pelo dano causado. “Os requeridos devem ser condenados, solidariamente, ao ressarcimento de R$ 11.794.631,00, ocorrido com o pagamento datado de 20/10/2009, com correção e juros”, pediu.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistério Público seleciona estagiários de Direito; inscrições estão abertas
Próximo artigoAs guerreiras do Brasil, Copa América e Messi isolando a bola

O LIVRE ADS