MPC pede que dinheiro público não seja usado em Carnaval

Em 2017, os municípios de Mato Grosso destinaram cerca de R$ 3 milhões em shows, atividades e logística relacionadas ao carnaval. Ano passado o valor foi de R$ 2 milhões

Foto: Divulgação/MPC

O Ministério Público de Contas (MPC) emitiu recomendações para que os prefeitos dos 141 municípios de Mato Grosso evitem usar dinheiro público para a realização do Carnaval. O documento também foi  enviado para o Governo do Estado e Assembleia Legislativa (ALMT).

Ao emitir a notificação, o MPC observou que, com a situação de calamidade financeira no estado, previsão de déficit financeiro de cerca de R$ 1,7 bilhão em 2019 e a crise que atinge municípios mato-grossenses, promover gastos com carnaval contrariam medidas de austeridade, tão necessárias nesse período.

Por isso, a nota recomendatória foi encaminhada para todos os prefeitos, presidentes de câmaras municipais, parlamentares do legislativo estadual e para o governador de Mato Grosso, com o objetivo de alertar sobre a necessidade de evitar enviar recursos, principalmente de emendas parlamentares, para festividades em municípios com graves problemas financeiros.

[featured_paragraph]“A realização de festividades e shows por municípios com atrasos nos pagamentos de salários, décimos terceiros e fornecedores, caracteriza violação aos princípios constitucionais da eficiência e moralidade, além de contrários ao princípio da razoabilidade, caracterizadores inclusive de atos de improbidade administrativa”, explicou o Procurador-geral de Contas, Alisson Carvalho de Alencar.[/featured_paragraph]

Em 2017, os municípios de Mato Grosso destinaram cerca de R$ 3 milhões em despesas com shows, atividades e logística relacionadas ao carnaval. No ano passado, 42 municípios do estado empenharam cerca de R$ 2 milhões com despesas relacionadas à festividade.

Segundo o Projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) do Estado de Mato Grosso, das 228 emendas parlamentares apresentadas ao planejamento que estima a receita e fixa a despesa do Estado para 2019, 34 se destinam à Secretaria de Estado de Cultura, totalizando mais de R$ 54 milhões.

“Os atos administrativos se submetem aos diferentes controles de legalidade, legitimidade e economicidade. É necessário estar atento às necessidades e anseios dos cidadãos como um todo. Investir em carnaval quando falta dinheiro para serviços básicos como saúde, educação e segurança atenta contra os princípios da administração pública”, explicou Alencar.

De acordo com o procurador, o Ministério Público de Contas vai monitorar o atendimento à recomendação e seu descumprimento poderá acarretar na propositura de uma Representação de Natureza Interna, ou seja, um processo para apurar os fatos, identificar e responsabilizar os gestores.

Ainda segundo Alencar, a notificação não caracteriza interferência indevida na atuação do gestor público, tendo em vista se tratar de proteção do interesse público primário e do núcleo fundamental dos direitos da pessoa humana. “Entre esses direitos se incluem a garantia de prestação de serviços de saúde, segurança pública e educação de qualidade, além da percepção dos vencimentos pelos servidores, regularização de eventuais débitos previdenciários e com fornecedores.”

Com assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorÓtica Gauss confere tendências em feira internacional de Milão
Próximo artigoTrator avaliado em mais de R$ 100 mil é levado de fazenda no interior