MP pede a Prefeitura de VG que revogue decreto flexibilizando regras impostas pelo Estado

Prefeito Kalil Baracat pretende manter aulas híbridas nas escolas particulares e igrejas e supermercados abertos por mais tempo

Prefeito Kalil Baracat (Foto: Prefeitura de VG)

O Ministério Público de Mato Grosso expediu uma notificação recomendatória à Prefeitura  de Várzea Grande para que revogue os dispositivos do decreto municipal que flexibilizam as medidas de combate à pandemia mais restritivas, já definidas pelo governo do Estado.

Na terça-feira (2), o prefeito Kalil Baracat (MDB) baixou decreto que mantém um toque de recolher com início às 21h e que se estende até às 5h da manhã seguinte, mas manteve a retomada das atividades da educação.

Escolas privadas estão autorizadas a retomar as aulas no sistema híbrido. Elas devem respeitar o limite de alunos até 50% da capacidade máxima das salas, desde que esse número não ultrapasse a quantia de 15 estudantes.

Nas  unidades públicas, permanece o sistema remoto de ensino, pelo menos, até abril, quando a Prefeitura espera adotar o mesmo modelo das particulares.

Kalil Baracat também permitiu o funcionamento dos supermercados até às 19h aos sábados. Pelo decreto do governo, eles deveriam fechar ao meio-dia.

Em Várzea Grande as igrejas e templos também podem funcionar até as 20 horas, ou seja, uma hora antes de iniciar o toque de recolher.

“Essas medidas não podem e não devem confundir essa flexibilização, com desrespeito às regras de fiscalização que serão endurecidas e acompanhadas das exigências de distanciamento social, uso de máscara e álcool em gel e de meios de higienização mais rigorosos”, disse o secretário Silvio Fidélis, que é presidente do Comitê de Enfrentamento ao Novo Coronavírus do Município.

LEIA TAMBÉM

Uniformidade e harmonia

Na notificação enviada à Prefeitura de Várzea Grande, o procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, estabeleceu prazo de 24 horas para o prefeito informar se mudaria ou não as regras.

Em caso de negativa, uma ação semelhante a patrocinada contra a Prefeitura de Cuiabá, seria proposta.

O principal argumento do promotor de Justiça Alexandre Guedes é que por se tratar de uma área urbana única, ou seja, a região metropolitana de Cuiabá, a adoção das medidas escapa à autoridade dos prefeitos, “assumindo foros de questão regional ou intermunicipal dentro da qual se apresenta a competência da gestão estadual do Sistema Único de Saúde”.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmanuel recorre ao STF contra limitações ao comércio e toque de recolher
Próximo artigoImunização até 80 anos