MP denuncia prefeito que usou trator, combustível e até funcionário público em área particular

Dênio Peixoto Ribeiro pode pegar até 12 anos de reclusão por usar estrutura pública em uma fazenda arrendada por ele

Imagem Ilustrativa (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Ministério Público de Mato Grosso ofereceu, nesta quinta-feira (10), denúncia criminal contra o prefeito de Planalto da Serra, Dênio Peixoto Ribeiro. Ele é acusado de crime de responsabilidade por ter utilizado indevidamente maquinário e serviços públicos em proveito próprio. A pena prevista é de dois a 12 anos de reclusão.

Consta na denúncia, que o prefeito utilizou um trator do município e uma caminhonete, que havia sido alugada pela Prefeitura, para realização de serviços particulares na “Fazenda Castelo do Sonho”, nos dias 28 e 29 de dezembro do ano passado.

O referido imóvel foi arrendado ao prefeito pelo período de 2010 a 2022, para a exploração de atividade agrícola e pecuária.

Além dos veículos, segundo o MPMT, durante a investigação foi constatado que o gestor também utilizou óleo diesel e mão de obra de prestador de serviços contratado pelo município.

Na denúncia, o Procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda explica que existe uma lei municipal em Planalto da Serra que regulamenta a cessão de maquinário público para a prestação de serviços a particulares, mas esclarece que, no caso específico, a utilização do trator na Fazenda Castelo do Sonho não foi amparada por aquele diploma legislativo.

Para a cessão de tais maquinários, a Lei nº 523/2018 estabelece ao particular interessado a obrigatoriedade de apresentação de requerimento perante o Protocolo Geral da Prefeitura que, na sequência, é encaminhado à Secretaria Municipal de Obras para deliberação. Além disso, a norma prevê que o custo com o combustível consumido pelo maquinário seja arcado pelo particular, no prazo de 10 dias de antecedência da data prevista para a execução dos serviços.

Durante as investigações, o MPMT requisitou da Prefeitura de Planalto da Serra toda a documentação exigida pela lei referente à utilização do trator na “Fazenda Castelo do Sonho”. Em resposta a Prefeitura informou que “não há registro dessa propriedade na base de dados da Prefeitura e que não houve prestação de serviço nas referidas datas, demonstrando que a utilização do bem público não se deu amparada pelo sobredito diploma legal”.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá libera festas de Natal e Réveillon sem horário para encerramento
Próximo artigoExcesso de Mauro Mendes