MP denuncia dois seguranças de filial do supermercado Extra por homicídio doloso

Enquanto um segurança mobilizava o jovem, o outro apenas observava sua conduta. Jovem que estava acompanhado da mãe, morreu asfixiado

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou os dois seguranças do supermercado Extra pelo assassinato de Pedro Henrique de Oliveira Gonzaga, de 25 anos, em fevereiro deste ano. De acordo com a denúncia, Davi Ricardo Moreira Amancio e Edmilson Felix Pereira são acusados por homicídio doloso, quando há intenção de matar. A pena varia de 12 a 30 anos de reclusão.

Segundo a denúncia, Davi “estrangulou a vítima, causando-lhe as lesões que provocaram sua morte” enquanto Edmilson “apenas observou a conduta de Davi, quando, na condição de vigilante do estabelecimento, deveria ter tentado impedir o crime cometido pelo primeiro denunciado”.

O crime aconteceu no dia 14 de fevereiro, na filial do supermercado da rede na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Pedro estava no interior do supermercado quando após uma confusão foi imobilizado por Davi. Apesar dos pedidos da mãe do rapaz e de outros clientes do supermercado, o segurança não soltou o rapaz da imobilização.

Os bombeiros que chegaram ao local tentaram reanimar Pedro Henrique, mas não conseguiram.

Dinalva de Oliveira, mãe de Pedro Henrique Gonzaga, morto por imobilização seguida de asfixia, numa filial do supermercado Extra, comparece à Delegacia de Homicídios para prestar queixa de lesão corporal.
Dinalva de Oliveira, mãe de Pedro Henrique Gonzaga, morto por imobilização seguida de asfixia, numa filial do supermercado Extra, comparece à Delegacia de Homicídios para prestar queixa de lesão corporal (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGuedes fala em redução de até 50% no preço do botijão de gás
Próximo artigoMPE pede revogação do direito de João Arcanjo ficar em liberdade